Ultrageek 155 – Como trazer gadgets do exterior?

Ultrageek 155 – Como trazer gadgets do exterior?

RAULLL CAVALARIA GEEK!

No Ultrageek dessa semana vamos salvar a vida dos geeks que vão viajar ao exterior e que sonham em voltar com a mala cheia de gadgets! Sim senhores, vamos falar todas as manhas necessárias para conseguir passar pela alfândega sem precisar pagar os impostos abusivos, desse sistema opressor que consome todo os trabalhadores e nos força a viver nessa ditadura do Capital. Agora, adivinha quem escreveu esse texto? =P

Ryca convidado:
– Fetichento, o Carrasco da Cavalaria Geek!

Nesse episódio: Descubra como 8 fones de ouvidos podem acabar com a sua viagem , aprenda a ser um chic sacoleiro, conheça a taxa da mentira, saiba se vale a pena ser honesto e nunca trate a sua bagagem como você trata seu escravo.

Sobre o autor

A Rede Geek é um hub de conteúdo geek, com podcasts, vídeos, blog, produtos e serviços feitos especialmente para a galera que é apaixonada por tecnologia! Siga a gente nas redes sociais e fique ligado de tudo que rola por aqui! ;D #RAULLL

  • julioc4p031r4

    Raulll, generais! Muito obrigado pelo episódio dos gadgets, além do
    Carrasco ser uma figuraça, este episódio me ajudou bastante, já que em
    outubro pretendo perder minha virgindade em viagens internacionais, indo
    pra Orlando com a patroa e as crianças. Pena que vocês não estiveram no
    Youpix, mas foi bacana, encontrei o Maurício Saldanha, que foi super
    boa gente e a rapaziada do Papricast, além de assistir à palestra do Léo
    Lopes. Só faltou encontrar vocês. De qualquer forma agora que vocês
    estão na ZL, pode ser que a gente se trombe qualquer hora dessas, já que
    eu moro na Vila Formosa, que fica bem perto da Mooca. Grande abraço e me repetindo, parabéns por mais um episódio fodástico. Raulll!

  • Só uma pequena correção nas informações do Carrasco, aí: você PODE SIM passar na fila do A DECLARAR se estiver abaixo da cota de isenção. A fila também é utilizada por quem quer declarar algo que trouxe de fora, para poder nacionalizá-lo, e evitar que seja tributado numa viagem seguinte. Por exemplo: veio de fora com um videogame portátil? É de se esperar que você vá levá-lo em viagens seguintes. Então é conveniente declará-lo para poder ter o comprovante de que o produto já foi importado em viagem anterior. Aí é só carregar esse comprovante contigo nas viagens seguintes e apresentá-lo caso você entre (ou seja puxado) para a fila do “A Declarar”. Eu devia ter feito isso com o meu Vita, que trouxe da Europa, e me arrependi amargamente de já não ter pego a ficha de declaração no avião e ido direto para a fila para declarar, mesmo estando dentro da cota de $500

  • gutolimasantos

    Saudações, Generais!
    Obrigado por mais esse cast informativo e divertido!
    #RAULLL!

  • O Highlander

    Saudações Generais!

    Ótimo programa! O Carrasco da Cavalaria mandou muito bem. Uma ótima participação. Gostei muito. Agora, depois dos elogios, vem a bronca! Quando os senhores comentaram a possibilidade do Carrasco participar de um Ultrageek eu logo imaginei que seria um programa muito bom, um dos melhores. E realmente foi muito bom, mas… tive um pouco de decepção ao saber do tema. Convenhamos, o Carrasco pode saber muito sobre os paranauês da aduana, mas ele sabe muito mais sobre outro tema! E como sabe!

    Então deixo aqui o meu pedido enfático: os senhores tem que fazer um Ultrageek sobre a especialidade do Carrasco!!! E os senhores sabem muito bem qual é a especialidade dele!!!!!

    Coloquem um aviso de que o programa não é recomendado para menores de 18 anos ou para sensíveis ao tema e libere o Carrasco para soltar a língua!!

    E tenho dito!!

    Highlander
    PS: “soltar a língua”: revelar tudo, falar muito (para que não fiquem pensando besteira)

  • SamoFischer

    Não entendi o caso da cobrança do imposto comentada no PodCast, que foi dito 50% + 50% ??
    Não seria 60% sobre o valor + % de ICMS?

  • Brunaojurassic

    As vezes vale a pena ser honesto. Melhor frase.

  • SamoFischer vamos lá, é o seguinte:
    Para encomendas importadas por correios ou courier, há os seguintes impostos:
    – 60% de II+IPI+PIS+COFINS
    – O ICMS do seu estado, sendo que este não é cobrado em alguns estados SE a encomenda está vindo por correio comum. Mas SEMPRE é cobrado quando vem por algum Courier (transportadora)

    Agora, para compras que você trás na bagagem, vindo do exterior, são cobrados 50% de II sobre o EXCEDENTE da cota estabelecida. Essa cota tem valor de $500 se por vias aéreas; e de $300 se vier do exterior por terra, rio ou mar. Se veio de avião dos EUA, com um notebook de $1000, pagará 50% de imposto sobre o que excedeu os $500, ou seja, o equivalente a $250 de imposto, ali, no ato, na alfândega. AGORA, se você pegou a fila do Nada a Declarar, mas está ACIMA da cota, e te pegam para fiscalizar na amostragem, e os oficiais constatarem isso, além dos 50% devidos há outros 50% de multa, sobre o mesmo excedente. Na prática, vira 100% sobre o excedente, então. Vale constar que o valor é calculado sobre a soma de tudo o que você está trazendo que seja declarável, não é sobre itens individuais. E a cota não pode ser compartilhada, ou seja, duas pessoas juntas não podem usar sua cota combinada para isentar o notebook de $1000 do exemplo anterior. Mas elas podem dividir itens entre si de forma que a soma do quanto cada um ficou fique abaixo dos $500 (ou o mínimo possível para reduzir o imposto a ser pago por ambos)

  • Brunaojurassic eu nunca tentaria arriscar a sorte na alfândega. POR ACASO eu sempre voltei das viagens para a Europa DENTRO dos $500, divididos entre a minha bagem e da minha esposa (ela sempre trás pouca coisa, no máximo uma ou duas garrafas de vinho). SE acontecer de um dia eu chegar com um total de bens acima de $500 (depois de já deixar com a minha esposa o que puder que não ultrapasse os $500 dela), eu prontamente entraria na fila do A Declarar, sem pestanejar.

    Aliás, uma coisa interessante para quem quer ou precisa declarar (“precisa”, pois é possível entrar na fila do A Declarar mesmo se estiver tudo isento, para ter uma documentação que comprove a entrada dos bens, como expliquei em outro comentário aqui) é que dá para ir no site da Receita e preencher a sua declaração de bens por lá mesmo, imprimir em algum lugar onde você estiver e levar consigo na viagem de volta. Aí é entrar na fila do A Declarar, apresentar o formulário impresso e preenchido, onde todos os valores já estão colocados, já indicando quanto de imposto deverá ser pago (se for pagar algum imposto), e aguardar a conferência dos fiscais

  • Kikero Oliveira

    Excelente episódio generais, e com isso descobri que quero conhecer “A Inglaterra”.
    um RAULLL

  • Tenho alguns amigos que são pilotos em rotas internacionais, e devido a frequência dos voos, as limitações de cota não são problema, portanto conseguem comprar no exterior como nós compramos pão na padaria da esquina rs

  • Preciso apresentar pra vcs meu amigo Alex, o cara manja dos paranuês de passar 2 sacolões de 30Kg, cheio de “lembrancinhas” do Japão… e não foi só uma vez…  Ninja de verdade!!!
    RAULLL

  • rogergalli

    Amigos, uma situação bem parecida com a do Carrasco aconteceu comigo, ano passado quando chegava da California.
    Minha mala não desembarcou, e antes mesmo de eu reclamar, um funcionário da Delta, veio me procurar pelo nome, dizendo que foi informado que minha mala estava ainda em Los Angeles.
    Disse que, como só tinha um vôo por dia, a mala só chegaria no dia seguinte, mas que eles entregariam em casa.
    Tive de preencher o formulário gigantesco citado pelo Carrasco.
    Depois de preenchido, ele pediu para acompanhá-lo na Polícia Federal, e se dirigiu à fila do DECLARAR (fila só no nome, pois nunca tem ninguém querendo declarar sua bagagem por livre vontade).
    Fiquei chateado e fui lá.  Quando cheguei na autoridade, foi explicado que eu e o delegado deveríamos assinar o documento que, na verdade, é uma AUTORIZAÇÃO para que o funcionário da empresa aérea possa tirar a sua mala do terminal no dia seguinte, sem a sua presença.
    Após assinar, fui me dirigir à fila do NADA À DECLARAR e o polícial disse: “aquela fila está muito grande, você já está aqui mesmo, passe por aqui, no raio-x”.
    Fiz uma cara de bunda e passei tudo, e embora estivesse cheio de tralhas que passavam em muito a cota, ninguém me perguntou nada e eu fui embora.
    No dia seguinte minha mala foi entregue em casa.
    O Carrasco não informou se recebeu sua mala depois ou ficou por isso mesmo.
    Abraços.

  • LeoFluz

    Salve salve GEEEEEEEEKS! RAUL RAUL! /o/
    Episódio MAIS DO QUE EXCELENTE sobre bugigangas do EX-terior! Não sou a pessoa que mais viaja neste mundo, mas dá para contar um caso da lua de mel (sim, ESSE caso pode =D ).

    Kell e eu voltávamos de Gramado-RS com nada menos do que UMA DÚZIA de vinhos, sabiamente encaixotados pela vinícola. Havia a opção de comprar e eles mandariam por sedex, etc, mas não queríamos arriscar uma quebra, ou algo do tipo. Passamos pelo check-in e o Raio-X e adivinhem? “Por favor senhor, queira esperar um minuto para eu verificar essa caixa fechada!”

    Dito e feito, o funcionário do aeroporto arrancou um estilete mais rápido do que Kenshin Himura e fatiou a tampa da caixa, expondo os vinhos, analisando um por um para saber se o conteúdo deles era realmente derivado das uvas. DÃH. Comprovado o fato, o funcionário pegou uma fita crepe e porcamente “fechou” a caixa dos vinhos. Felizes e contentes embarcamos para São Paulo.

    Fechar a caixa não era o importante. Trazer cada uma das garrafas sãs e salvas era o Achievement =D
    Grande abraço e é bom vocês verem o vídeo do casamento.
    Uma palavra: #LapDance

  • Rauuul galera. Podcast show. O convidado parecia um podcaster profissional. Parabéns.

  • StefanPasoldDamacena

    #RAULLL Marechais, caralho não sei de fico contente com a presença do Carrasco ou com muito medo, mas foi um cast muito bom dei muitas risadas.
    Abraços!

  • Drianis

    Como pessoa muito (muito mesmo) próxima do Carrasco, me sinto no dever de lembrar que uma vez a muamba dele foi barrada na alfândega, porque era simplesmente um computador com monitor de 983792847 polegadas. Felizmente a senhora Mãe-do-Carrasco resolveu tudo ali na hora, comme-il-faut.