Ultrageek 130 – Analógico e digital

Ultrageek 130 – Analógico e digital

RAULLL CAVALARIA GEEK!

Nessa semana, o Ultrageek é sobre mais um tema do universo da tecnologia… A transição do mundo analógico para o digital! Nós vivemos uma era de conversão de mídia e isso não está sendo fácil para muita gente! A internet vai matar a mídia impressa? O podcast vai matar o rádio? O Youtube vai matar a TV? O Kindle vai matar os livros impressos? O Facebook vai matar Odete Roitman? VEREMOS… =P

Convidados digitalizados durante a gravação:
– @DicasDaCondessa" href="https://twitter.com/dicasdacondessa" target="_blank">Barbara Duarte (Bazar Pop)
– @MiguxoFromHell" href="https://twitter.com/miguxofromhell" target="_blank">Ricardo Terrazo Jr.: O Duque da Mooca (Canal Masculino)

Nesse episódio: Conheça o Piratebay do mundo analógico, tente entender a lógica de imprimir para escanear, tenha um debate interminável sobre pronúncia, entenda o sucesso do sertanejo universitário, critique um cinema com película e descubra como salvar o mundo batendo palmas!

Sobre o autor

A Rede Geek é um hub de conteúdo geek, com podcasts, vídeos, blog, produtos e serviços feitos especialmente para a galera que é apaixonada por tecnologia! Siga a gente nas redes sociais e fique ligado de tudo que rola por aqui! ;D #RAULLL

  • paulapiva

    A velha falando, meu primeiro cd foi qdo eu fiz uma viagem para o paraguai e comprei “Legião Urbana – Mais do Mesmo”, meu pai já tinha alguns. Mas só podiamos ouvir pq eu ganhei um computador. Estamos falando de algo entre 95 ou 96 mais ou menos.Essa nova geração é uma loucura, meu sobrinho tem 7 anos e nem se importa se é iPad, iPhone, computador, notebook, xbox…qq coisa ele já vai mexendo, usando. Meu orgulho e ainda gosta de rock…ahahuahu

  • Alquimista Daltonico

    Olá General Mechinha e General Faustão!
    Não falei no email pra não ficar muito longo, mas essa parada evolutiva é porque existem muitas características que evoluiram lado a lado e no fim tiveram o mesmo aspecto, aqui na terra. É provável que o mesmo ocorra em outro planeta “igual”. É possível que E.T.s sejam tão diferentes? Sim. Mas é bem possível que sejam bem semelhantes também. Inclusive, existem “provas” que a evolução tende a se repetir. Fica para a próxima. #RAULLL

  • vosiro

    Ótimo podcast, curti muito!

    Um coisa interessante sobre mídias digitais, eu atualmente moro na Austrália, e fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que usam Kindle aqui. Já conheci muita gente que tem algum tablet e também o Kindle.
    Eu perguntei para amigos próximos qual era o motivo de usar o Kindle e não outros tablets, e todos disseram a mesma coisa: no Kindle não há distrações, não há mensagem e nem notificações atrapalhando sua leitura.

    Eu acabei aderindo a moda. Achei a leitura do Kindle bastante confortável e com grandes facilidades, como poder ler um sample de um livro antes de comprá-lo, além de ter um dicionário já instalado (bastando apenas fazer o highlight do texto para saber seu significado), a busca por passagens no texto que você queira reler e o acesso ao acervo online da Amazon.

    Curto muito livro, mas a forma digital no Kindle para mim é de fato muito boa!
    Abraços.

    #RAULLL

  • É foda eu levei anos para juntar pouco mais de 1TB de arquivos de música para hoje usar só o Deezer e Youtube para ouvir música =/

  • Como assim “não lançam pornografia em Blu-ray”? O Blu-ray SÓ GANHOU a briga com o HD-DVD justamente porque a Sony foi a primeira a abrir as pernas para permitir o uso do formato pelo mercado adulto explícito, ora bolas 😀
    Mas gente fina é outra coisa, heim? Na minha casa só fomos ter o primeiro CD player na época da Coleção Caras de Música Clássica, em 93. Eu já tinha 15 anos, à época. No mesmo anos tínhamos comprado também nosso primeiro videocassete, um trambolho com 2 cabeças e case de MADEIRA!!! Naquela época ele já era ultra-jurássico 🙂
    E sobre a digitalização de conteúdo, eu sou daqueles que apoio 100%. Eu tenho uma “vasta” biblioteca de livros, quadrinhos antigos e mangás (comparado com um cidadão comum, veja bem). Mas eu trocaria tudo de bom grado por um e-reader que contivesse todos eles, com backup na nuvem, claro (perdeu o Reader? Compra outro, a biblioteca fica estática online). No caso de livros e mangás os readers atuais com e-ink monocromática já me atenderiam 99% (pois um ou outro mangá  contém páginas coloridas). Com isso já de cara esvaziaria uma estante inteira, e mais duas prateleiras da segunda.
    Sobre a leitura de emails, o lance do Tesla ter captado transmissões de rádio que não eram provenientes da Terra, ele só fez algo que o telescópio de Arecibo e outros radiotelescópios que tem por aí fazem corriqueiramente: captou as emissões de rádio de CORPOS ESTELARES, como pulsares e quasares.
    Bom, é isso, gostei do assunto, a conversa foi muito boa. Abraços e até a próxima

  • Obrigado e parabéns ao Doug pelo tapa na cara do Tato, estava sentindo a mesma vontade a cada termo inglês citado.
    AHAUHAUAHUAHUHAUAH

    #RAULLL

  • JoaoFariaJunior

    Muito bom podcast como sempre, ótimo tema.

    Não gosto muito de rock, eu escuto algumas coisas, meu foco é o pagode e um pouco de rap e nos serviços online não temos muita variedade nesses estilos, por isso tenho que ficar na clandestinidade rs. Se houvesse um conteúdo bacana nesse estilo, eu pagaria uma mensalidade para ouvir, assim como no deezer.

  • L ucas Limao

    Barbara Duarte traz um Brilho a mais ao Podcast 😀

  • andriolli

    Ih rapaz! Não foi no carro ano passado que o Maury ganhou um bola gato? Haha não quero entrar nesse carro aí não!

  • Enquanto representante dos profissionais contábeis deste país e membro da Cavalaria Geek sob o título “Tecnocrata do Planalto”, gastaria de tecer um rápido comentário.
    Se algumas empresas contábeis hoje tem problemas em lidar com a digitalização das informações corporativas, existem duas razões basicamente: 1) a resistência de profissionais da velha guarda, criados e formados em ambiente analógico; e 2) os clientes.
    É um fato. Tanto as tendências de mercado quanto seus agentes ativos (como fornecedores de software, Conselhos Federal e locais, órgão e agências reguladoras, etc) convergem para a digitalização. Há incentivos nesse sentido. Aproximadamente 90% dos serviços atribuídos a empresas contábeis dispensam impressões ou cargas de documentos físicos. Quase tudo pode ser resolvido/encaminhado/agendado,assinado em meio eletrônico. Mais e mais escritórios de contabilidade hoje são apenas virtuais, sem um endereço comercial fixo, porque praticamente já não há necessidade de arquivos físicos. 
    Mas tem lá o tiozinho que gosta de colocar o papel na pastinha. Ou o bendito cliente que insiste em passar pela porta com um documento na mão. Mesmo que a profissão esteja em um mundo 2.0, não há uma forma simples de se livrar desse tipo de vício…

  • VictorKen

    Eu li mais livros em pdf do que no papel e os leio no celular, e sempre que eu compro um smartphone novo tenho como objetivo ler o preço dele em livros que eu baixados, acabei de comprar o Moto G no link do Desconto Geek e faltam mais ou menos 20 livros pra “pagar” ele.

  • Renato Cobel

    Ainda tenho minha coleção de disco de vinil, mas pretendo digitalizá-los qq dia desses.
    Sobre o OVNI, nunca vi nenhum enquanto voava. Mas já vi algumas vezes qdo estava em Minas Gerais. E teve uma vez q eu fui numa festa e fiquei meio bebado, acho que fiquei com uma extraterrestre. Acho.

  • beneportela

    Oi amigos, quanto a cinema, eu me lembro das primeiras câmeras digitais, a diferença era que na câmera normal, (parem de chamar tudo que não  “digital” de analógico, pois não é uma apenas uma analogia básica, tem muita diferença sim!) se conseguia 128 milhões de cores e a digital 26 milhões, mas para nós meros mortais, não vemos a diferença, apenas uma pessoa bem da área saberia distinguir, eu duvido, acho que é coisa de gente metida mesmo, porém como tudo na vida, tende não para o melhor, mas para o mais prático, acabou ficando mesmo! Quanto ao áudio, no começo da digitalização, se usava baixas taxas de amostragens, então quando se processava o áudio, a qualidade caia no sentido do som fica tipo plastificado  artificial, então o digital pegou esta má fama, hoje com novos processos e equipamentos mais modernos, é praticamente quase impossível um entendido em áudio notar a diferença nas mixagens! A vantagem do digital sempre foi a praticidade, e a conservação do áudio/vídeo originais, mas no caso do processo analógio, devido a limitações, tinha-se alguns defeitos que davam carteiristas que nos agradam até hoje, por isso que, sempre tem alguma empresa desenvolvendo algorítimos simulando defeitos, para deixar o produto final mais agradável, um exemplo é a seria Futurama, parte dela é feita em computador e passado por um filtro para parecer desenho! Em termos de eletrônica, muitas pessoas fazem um embate entre eletrônica digital e analógica, como se fosse antônimos, mas não, na verdade a digital é um seguimento da analógica, exemplificando, uma pessoa olha uma tv de tubo e diz, “é analógico”  sim a recepção do sinal é analógica, mas todo o controle da tv é digital, tem um processador decodificando o sinal, recebendo os comandos pelos botões ou controle remoto, e por fim controlando o resto do processo de gerar som e imagem no caso analógico! Olha para uma tv LCD, “é digital” , sim é mais exitem centenas de processos analógicos similar a tv de tudo,a diferença esta só no modo de processar o sinal recebido, que pasmem vcs tb é analógico, apesar de se falar transição digital! rs
    Valeu, falei demais, já tive meu momento Sheldon! rs
    Bené

  • ezequiascampos

    Raul!
    Sou um apenas um squire nesta cavalaria, comecei a muito pouco tempo e realmente é um dos melhores podcasts da Internet!
    Contudo, por mais que esteja gostando, cabe um
    rápido comentário sobre a opinião a respeito da digitalização dos livros.
    Primeiramente, perdão, mas qual foi a última vez que vocês levaram um livro para ler na praia? Vou lembrar los que são coisas grandes e as vezes pesadas, bem mais que um simples kindle!
    O que eu quero dizer é que a argumentação de que carregar um dispositivo a mais seria incomodo não voga, me pareceu um argumento de quem não lê. Mas quem sabe está não é uma intolerância minha de quem já viu a “luz” da leitura digital no dispositivo da Amazon, o Kindle.
    Uma pena que vocês não conhecem ele, ele simplesmente resolve todos estes problemas, a vista não cansa, a bateria dura mais de um mês, os livros são mais baratos, e o acesso e instantâneo, ler em qualquer lugar não é um problema.
    Digo que não cansa porque a experiência e similar a a um livro de papel, sendo que bem mais leve e muito mais poderoso .
    Porém ler e uma experiência muito analógica, que, sim, exige dedicação, exclusividade. É merece um aparelho só para ele.

  • AlexandreDuarte

    Só esqueceu de falar que em qq lugar público que vc for com um Kindle, vc estará “dando sopa” pra ser roubado. Não sei aí…. mais levar um Kindle pra praia… ele não volta mais ( ao menos não com vc )
    Já livro impresso…. NUNCA VÍ ninguém chegar e assaltar pra levar um. Até pq quem curte ler, pensa… logo quem pensa não entra pra o mundo do crime. Rssssssss….. Não sou um radical que não concorda com os formatos digitais.. até pq tenho uma biblioteca maior no celular, do que na estante ( e olha que a da estante não é pequena ), mais tratando-se de ler em locais públicos, eu ainda acho mais seguro o livro impresso ! Raulllllllllll…..

  • AlexandreDuarte

    Pior é que ainda existem exigências por parte da própria receita federal em se manter cópias FÍSICAS de notas fiscais eletrônicas com seus devidos canhotos assinados por 5 anos ou mais…. é no mínimo ridículo! Um processo que tinha tudo para eliminar de vez a papelada, vem acompanhado de uma exigência de mantê-la ! São coisas que só o Brasil faz por vc !

  • StefanPasoldDamacena

    #RAULLL Generais,  Eu lembro dos tempos que ficava na frente do rádio esperando vir uma musica foda para gravar na K7, bons tempos, Lembro tbm do meu primero e segundos cd’s, 1 foi do mamonas assassinas lógico o outro foi do Legião Urbana.
    Mas depois disso veio o computador, o Kazza, Emule, depois que comecei a trabalhar e com a chegada da steam e do netflix no Brasil eu abandonei a pirataria ( praticamente ).
    Abraços!