Ultrageek 111 – Inglês

Ultrageek 111 – Inglês

RAULLL CAVALARIA GEEK!

No Ultrageek dessa semana vamos voltar ao papo sobre idiomas! Se no WeRgeeks 88 o assunto foi Esperanto, falaremos agora sobre a língua mais mainstream e top of mind no universo dos geeks, early adopters e gadgeteiros! ;P

Professor convidado:

@Arbsoft" href="https://twitter.com/arbsoft" target="_blank">Alessandro Brandão (English Experts)

Nesse episódio: Descubra um jeito bacana de aprender inglês, assuste-se com o futuro casamento do Prof. Maury, saiba o motivo do gringo sempre saber que você não é americano, conheça o turismo dos sonhos para Las Vegas e ignore tudo o que você aprendeu na escola!

Sobre o autor

A Rede Geek é um hub de conteúdo geek, com podcasts, vídeos, blog, produtos e serviços feitos especialmente para a galera que é apaixonada por tecnologia! Siga a gente nas redes sociais e fique ligado de tudo que rola por aqui! ;D #RAULLL

  • Hiro

    Hahaha. Valeu, pessoal.

  • Hernan Declek

    Cara tô doido pra ouvir, mas a minha internet é tão ruim que vou ter que esperar o meu irmão baixar no trabalho e trazer pra mim….

  • Se Tato quiser aprender japonês pela NHK usando português como língua base eles tem um curso http://www.nhk.or.jp/lesson/portuguese/
    Os orientadores do curso falam português do Brasil
    Ótimo o episódio, exceto pelos blips, ouvir esse tipo de som é bem desconfortável pra mim, principalmente usando fone de ouvido, quando vocês precisarem ocultar alguma palavra seria gentil escolher um som menos agudo.

  • Caco de Paula

    I was face to face with the ‘tema’, let’s see, what the fuck is going to give!

    (by Escolas de Idioma Joel Santana)

  • Las Vegas é um excelente motivo pra se aprender inglês Prof. Maury…

    Até o momento é o lugar mais foda do mundo (pra mim, óbvio)…

    Até o que vocês comentaram, sobre a mudança de chave… realmente isso acontece… e eu achei isso mto engraçado… nos primeiros minutos vc parece um índio (sem preconceitos por favor)… depois de algum tempo… vc fica acostumado a ouvir tudo no outro idioma e vc fala bem como vc não imaginava que conseguia… pra mim, foi uma experiência muito maneira ter ido por 5 dias pra lá.

    A única coisa ruim é que me faltava 1 ano pra poder aproveitar a cidade em sua totalidade (eu estava com 20 ainda) #chatiado

    enfim… o podcast foi muito legal… melhor ainda que vou ter uma indicação pro meu pai estudar inglês…

    Abraços… RAULLLL

    ou melhor…

    Bye, bye, bye…

    pra quem não pegou a referência:
    http://bit.ly/12HCz0J

  • Koudi Nakano, Bacharel em Ciências da Comp. programador/gerentede proj/gerentede bd/o cara da ti, s/c, Floripa, SC

    Senhores…

    Nossa eu tive dois casos muito bizarros com chineses, um no laboratório ha, mais ou menos um ano, quando um amigo meu do lab conseguiu quebrar a tela de lsd, digo, lcd, do galaxy s3 dele e chegamos em um site chinês pra comprar a tela, eu fazia uma pergunta e ele demorava uns 5 minutos pra responder e vinha uma coisa muito sem sentido, do tipo, “do you have the galaxy s3 display?”, e a resposta “of course we can ship from bangladesh your s3” ou então “how much is it?” resposta “yes”… por fim achamos melhor não fechar negócio.

    E no começo desse ano quando me vim trabalhar no eu atual emprego, a chefe veio com um manual pra eu traduzir, de uma cadeira de massagens fabricada por chineses, sério o cara escreveu o manual em chinês enfiou o texto no google translate e botou o texto no manual em “inglês”, aquilo era a definição de caos. O pior de tudo é que alem de ter sido feito essa merda toda o cara que escreveu o maunal devia ser um engenheiro elétrico por que o que eu tive que correr atrás de termo técnico de engenharia não tá escrito no gibi, e isso q fui contratado pra desenvolver um sistema de gerência ¬¬’, ao menos eu tenho uma cadeira de massagem ao meu dispor no escritório

    Raulll

    ps. não conhecia o english experts, da hora XD…. parabéns aos três pelo programa, ficou foda, e ao Alessandro, também pelo EE, é demais!

  • Volta e meia a gente acaba escutando algumas pérolas quando os controladores de voo vão falar em inglês com algum voo internacional no meio de vários voos nacionais, no penúltimo voo que fiz escutei:

    – Flight one two three, climb and maintain the flight level ”dois sete zero”

    rsrs

    Abs

    Sales

  • Ainda não ouvi o programa, mas tenho a certeza que está sensacional como sempre.
    Mas gostaria de comentar sobre o tema aqui: o meu primeiro contato com podcasts foi por causa da língua inglesa.
    Em 2009 descobri, não sei como, um podcast chamado English Roxxx do prof. Nathan Highlander em seu site próprio e depois vim a saber que fazia parte do English Experts também, veja só. Aprendi bastante coisa de inglês ouvindo-o.
    Então o primeiro podcast que descobri não foi o Nerdcast, este só conheci por causa de uma entrevista com Jovem Nerd e Azaghal na Globo durante a Campus Party de 2011, e através daí os outros grandes podcasts dessa grande Internet.
    Até mais e RauLLL!
    Segue um episódio do programa, bem curto alias.
    http://www.englishexperts.com.br/2010/01/03/podcast-eerox-aprenda-ingles-com-a-musica-boom-boom-pow/

  • A very well mister yo! kkkkkkk sensacional

  • #Soudesses que já se passou por gringo na balada. E sim, funciona. “The book is on the table” pra pegar as cocotas. #Raulll

  • Raphael Cardoso

    E só uma dica para o podcast sobre língua japonesa, CHAME o Leo Lopes !RAUL!

  • Einherjar

    60%, eller mer av engelsk, komme fra norden språk.

  • Roger Takada (33 Anos, Dekassegui, Correspondente Internacional da CG, Tsu-Shi/Japão)

    Putz! Dessa vez vcs apelaram… onde foi que vcs encontraram essas “virgulas” hahahaha.
    Não é possível que seja verdade, fiquei até com dor de barriga de tanto rir.
    Fica aí o desafio para Cavalaria, decifrar que música o cara quis anunciar em cada uma das virgulas desse episódio… hahaha

    Parabéns Geeks, episódio animal!
    Ótimas dicas de aprendizagem de idiomas… principalmente aquela de fugir do seu idioma nativo qdo estiver particando outro idioma, forçar o cérebro a aprender com as dificuldades. Isso é bem verdade, vivendo aqui no Japão pude constatar que eu teria aprendido muito mais se tivesse seguido esse regra aí. Temos aqui, hoje em dia, a facilidade ter ter interpretes brasileiros e traduçoes para pt-br em varias repartições públicas, placas nas ruas, itinerarios de transporte publicao, etc. Com isso, literalmente e bem dito pelo Tato, andamos de muletas e nada absorvemos. De uns anos pra cá resolvi estudar mais o idioma, até pq agora o idioma nativo de meu filho é o japonês… e outra vez vcs acertaram nas palavras, estar num país e falar o idioma local é outra experiência, bem mais completa.
    Outra coisa, não pensem que sempre serão salvos por saber inglês, em muitos lugares vc será o único que o sabe. 😉
    Sempre bom aprender outros idiomas e novas culturas… RAULLL

    PS: Não precisa nem dizer que sugiro o próximo episódio dessa “série: Idiomas”, o idioma japonês.

  • Hi guys! Legal o cast só achei too short! Sei um pouco de inglês por causa da profissão, trabalho como técnico de informática então não tem como escapar do inglês e principalmente o inglês técnico! Eu até que leio bem, e escrevo um pouco, mas falar, eu nem me atrevo, há pouco tempo tive contato com dois americanos e a minha fase em inglês foi: “I don’t speak nothing in english!”, acho que eles entenderão! Mas nas palestras eu entendia mais de 50% do que ele falou, eu deveria me dedicar mais, já tem muitos termos e frase que escuto e já entendo automático sem precisar tentar traduzir, as vezes vejo um vídeo e entendo o que o cara diz, mas não saberia traduzir, é bem isto que o Alexandro falou, estou aprendendo da forma errada! Vcs poderiam fazer uma segunda parte com as expressões idiomáticas, tem um livro só com frase muito comuns e que é muito útil para compreender e evitar traduções e adaptações literais como o “Nobody tell me nothing!” do Azaghal !
    Regards,
    Bené

  • Ah velho que pena que o Joel Santana não pode participar do episódio, teria sido uma lição de vida o tempo que ele passou na África hahaa, mesmo assim também foi muito bom.
    Maury, tô contigo meu querido, vamo no embromation e no enrolation até quando dá haha, quando a água bater na bunda aí você corre pro cursinho de inglês e aprende logo esse negócio, mas no caso de vocês que vão a entrevistas e tudo mais, algumas vezes em inglês, é interessante sim o pedido do Tato para entrar no esquema do Inglês. Eu não sou muito bom no inglês mas eu entendo um pouco, se eu fosse para outro pais acho que me viraria legal e não passaria necessidade, achei a dica do Alessandro de não ficar saindo com Brasileiros no exterior essencial, ir pros EUA pra ficar no enrolation é sacanagem né!!!
    Grande programa galera, mandaram muito bem como sempre!

    Valeu
    Abraço!!!

  • Rogério Calsavara, 40 anos, Economista, Campinas – SP e sem cargo na cavalaria

    Saudações Cavalaria!!!

    Quando se trata de inglês eu vivo no limbo (nem no Céu, nem no inferno). Eu leio inglês numa boa, sem problema nenhum. Então isso já me dá bastante autonomia com os sites, manuais, livros, etc. Já entender o que uma pessoa fala só se a pessoa falar devagar, bem pronunciado. Filmes sem legendas então, nem pensar, não dá pra mim.

    E pra eu falar… um completo desastre. Eu travo totalmente!! E não só nos primeiros 5 minutos… é nos primeiros 10 minutos, 15, 20… Um horror!!!

    Mas um dia eu ainda crio vergonha na cara e vou me esforçar pra incrementar o meu inglês.

    RAULLL PRA TODOS!!

  • Luciano “Alucard”

    Tú ta de brincation uiti mi, cara?
    Muito bom, Senhores. Ainda mais de lembrar dos tempos pré-interuebes onde a gente pegava o dicionário e ia traduzindo letras de música, 99% errado. kkkkkkkk
    Acho que RPG, RPG de console, música e loooogico filmes “com temática adulta”, são os grandes professores de inglês do mundo rs. Nao conhecida o English Experts, mas achei bem supimpa o formato. Pra quem quizer se aprofundar mais, fica a dica do “livemocha” que é uma mistura de escola virtual de idiomas com rede social. Muito bom também.
    Mas que fique registrado que o Ingles do Joel Santana é o melhor de todos os tempos rsrssr.
    révi a naice dei, jentlemains
    RAUUUUUUUUUL o/

  • Natália R.

    Muito bom o podcast!
    Eu tenho 16 anos e comecei a fazer cursinho quando tinha 12, então eu nem lembro de não conseguir falar/entender inglês. Até por que, mesmo antes de começar o curso, eu já estava jogando jogos e tentando entender as cartinhas de Yu-gi-oh há muito tempo.
    Adorei o que vocês falaram sobre a mudança de chave. Sempre quando ia falar algo em inglês de repente saía tudo meio estranho e eu ficava me sentindo uma inútil. Bom saber que não era a única.

    PS: Adorei a dica do English Experts. O site é bem organizado e o conteúdo tri legal. E tem outras línguas! Vou ver se tomo vergonha na cara e começo a aprender o espanhol. Acho que não vai ser tão difícil quanto as minhas tentativas com japonês levando em conta a semelhança com o português.

  • Helbert Wagner Ramalho Nascimento

    RAAAAAUUUUUUUUULLLLLL

    De inglês sou fraco, mas estou aprendendo Mandarim que é uma beleza.

    Vejam onde no link da notícia que saiu no site UAI.com.br

    http://www.areah.com.br/Vibe/Aprendizado/materia/54904/1/pagina_1/materia.aspx?key=uai

    Aprenda Mandarim com professoras semi-nuas.

    Abraços a todos.

    Helbert Wagner
    Professor de Física

    Sem cargo na cavalaria.

  • Rodrigo_X

    RAUL! RAUL! RAUL!

    Olá Geeks! Acabei de ouvir o cast e precisei vir aqui compartilhar com vocês a minha experiência de como “entrei” no inglês

    Comecei a aprender a língua inglesa por uma necessidade gamer/geek. Os jogos que vieram com meu KIT MULTIMÍDIA SOUND BLASTER eram LOOM e MONKEY ISLAND. O Monkey ainda tinha a opção de espanhol, e a proximidade com o Paraguai me fazia sentir mais a vontade com o espanhol, porém o maldito espanhol possui diversos falsos cognatos que F#$#%#$%# a experiência do jogo, e acabei passando para o inglês que com o auxílio de um dicionário me permitiam prosseguir com maior facilidade do que com o espanhol.

    O segundo momento foi quando meu PC deu pau pela primeira vez, e na época chamar um técnico era caro e muito demorado, pois o rapaz atendia tanta gente que demorava dias para ir na nossa casa. Foi então que eu marotamente peguei aqueles manuais e fui vendo o que eram os beeps da placa mãe, descobri qual era o problema e consegui uma peça sobressalente com um amigo da escola que tinha um PC parado em casa e sem uso. Quando meu pai viu funcionando digamos que ele ficou deveras surpreso.

    Mas a virada principal para que eu começasse a aprender inglês mesmo foi para conseguir vencer um professor que dava provas super difíceis na escola. Ao contrário do Maury esse professor não me causou trauma, mas sim se tornou um desafio.

    E finalmente o ponto em que eu comecei a aprimorar mesmo o inglês foi o RPG. Em 2000 todos os novos suplementos para Dungeons & Dragons eram em inglês (a famosa 3ª edição), e como a sede pelo ~conhecimento~ era grande acabei por aprender na marra todos os novos termos e querer conhecer mais e mais.

    Ps: Highway Star na trilha tá de parabéns!

    Rodrigo X, 31 anos e Taberneiro da Cavalaria Geek!

  • Gostei do cast.
    Achei interessante as dicas que foram passadas.

  • Volto aqui para agradecer a dica do aplicativo duolingo.
    Estou usando ele aqui e achei bem interessante.

  • Pingback: Os Comentadores #2 - Leitura de e-mails | Telhacast()

  • StefanPasoldDamacena

    #RAULLL Generais, o pouco de inglês que aprendi posso agradecer aos Jogos e a minha professora de inglês do segundo grau, hoje em dia tenho vontade de voltar a estudar inglês mas o tempo infelizmente não colabora muito comigo, mas quem sabe um dia eu consiga.
    Abraços!