Ultrageek 105 – Brincadeiras Offline

Ultrageek 105 – Brincadeiras Offline

RAULLL CAVALARIA GEEK!

E no programa de hoje vamos relembrar um tempo anterior à internet, um tempo onde, ao invés de encontrar seus amigos online para trocar ideia… PASMEM… a gente reunia a galera PESSOALMENTE! =P

Vamos falar das brincadeiras offline que tínhamos em nossa infância, afinal de contas, antes da internet a criançada também sabia se divertir!!!!

Crianças remelentas convidadas:
@Eduardo_Sales" href="http://twitter.com/eduardo_sales" target="_blank">Dudu Sales (Papo de Gordo)
@DicasDaCondessa" href="http://twitter.com/dicasdacondessa" target="_blank">Bárbara Duarte (Bazar Pop)
@MiguxoFromHell" href="http://twitter.com/miguxofromhell" target="_blank">Ricardo Terrazo Jr.: O Duque da Mooca (Canal Masculino)

Nesse episódio: Aprenda um esporte para cavalheiros, saiba como ser educado na infância, inscreva-se no campeonato de Taco da Cavalaria Geek,  seja salvo com uma chupada, corra para não ser encontrado no esconde-esconde e descubra todas as manhas das brincadeiras malíciosas como gato-mia, verdade ou desafio e pêra, uva, maçã ou salada mista!!!

  1. LINKS DA LEITURA DE E-MAILS
  2. Aerolitos #01 – Me belisca que tô acordado!

Sobre o autor

A Rede Geek é um hub de conteúdo geek, com podcasts, vídeos, blog, produtos e serviços feitos especialmente para a galera que é apaixonada por tecnologia! Siga a gente nas redes sociais e fique ligado de tudo que rola por aqui! ;D #RAULLL

  • Lucas Limão Bernardi Callegari

    Mais de novo eu sou Primeiro aqui …. acho melhor eu disfarçar um pouco kkkkk 😀

  • Fellipe

    E eu caçando casts antigos pra escutar… Bom presente pra madrugada!

  • Dalton

    RAULLL
    Ninguém nunca fez pacto de cuspe com os coleguinhas ou brincadeiras macabras de assustar? Campeonatos de mijo/cuspe a distância? Arroto mais alto?

  • Nosssaaaa… nostalgia FODA!!! Apesar de morar em prédio, a rua era nossa quadra. Brincávamos de esconde-esconde entre os prédios até que aumentaram os muros. E guerrinhas de Bexiga d´ água? E pior, guerra de ovos com os prédios vizinhos, onde colocávamos tintas dentro dos ovos e fazíamos maior sujeira. hehehehe Taco, jogamos demais. Só que por morar em prédio, muito dos jogos acabavam rápido, pois a bola ia para a rua, típico Home Run. Mas também jogamos muitos jogos de tabuleiros como Jogo da vida, War e jogo da vida. Arminhas de bolinhas!!! Pergunta para o Potter o que fizemos com a veneziana dele. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Elefantinho colorido, policia e ladrão!! Gordo só se fudia nessas brincadeiras de correr, talvez por isso nós hoje somos blogueiros/podcasters, por que não precisa correr ou se movimentar (muito). Nunca brinquei de mãe da mula (¬¬) por motivos óbvios. Ahhhhh gato miiiia!! HAUHEUAHEAUHEA Fez a felicidade da mulecada. MUITO BOM!!! Parabéns seus lindos

  • Marcio Silva

    Ola Geeks, em relacao ao jogo mencionado durante a leitura dos comentarios, imagino que voces nao o saibam que a Ellen Page foi atriz de Motion Captio desse jogo. Sigam o link:

    http://kotaku.com/5925853/watch-ellen-page-become-a-video-game-character

  • Maycow Meira

    RAUL

    Muito bom o podcast,

    Taco na Rússia Brasileira (Paraná) se chama betz!
    Inclusive quando se desiste de alguma coisa geralmente a gente fala: “Larguei os betz!!”

  • Caras, quando vocês falaram sobre chutar o chão durante jogo de futebol na rua, lembrei tão instantaneamente das duas vezes que isso aconteceu comigo que até a dor no dedão do pé voltou huahua

    E ri demais no final com o “Licença pra falar no podcast!?” hauuhauhahua

  • Glaucia C. Rosa (25 anos, Educadora Física, Blumenau – SC)

    Cara de todos os convidados o Dudu é que teve a infância mais hardcore!!!
    Em relação as brincadeiras citadas:
    1) Aqui também jogávamos taco, porém quando a bola era pega no ar os tacos não eram passados aos arremessadores, O JOGO TERMINAVA e os arremessadores eram os campeões! No momento em que seguravam a bolinha no ar precisavam gritar “Vitória Betsy”, na época ninguém sabia porque, hoje em dia sabemos que esse é o nome da brincadeira em outros estados;
    2) As arminhas com munição colorida foram febre aqui também! Só havia eu e mais uma menina no meio da rapaziada toda e nós não participávamos das brincadeiras mais violentas como a da arma. Os meninos se separavam em equipes e ficavam atirando a tarde toda. As vezes, por azar, eu e minha amiga passávamos perto do campo de batalha e virávamos o algo de todas as equipes….era tiro pra tudo quanto é lado kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    3) A brincadeira favorita na adolescência aqui foi o esconde-esconde no escuro. E com essa informação encerro aqui meu comentário!

    RAULLL

  • Helio dos Santos Neto

    Comentarios dos senhores Generais da Cavalaria sobre o comentario do “Fabio NINJA”

    “Saudades do Ninja.”
    “Faz tempo que ele não aparece aqui”

    Meus parabéns pra ele, visto que ele é um NINJA!

    Um RAULLL para os senhores deste lorde que também é versado nas artes de nobre esporte do Taco. (ou Bats dependendo do lugar)

  • Helio dos Santos Neto

    PS: a citação em Latim do brasão foi massa!

  • Não tive uma infância tão hardcore também, sempre fiquei em casa mesmo.
    Brincava muito de Stop (em que em cada rodada deve-se escrever numa linha várias coisas como objeto, fruta, marca, parte do corpo, etc), e betz um pouco também, apesar de aqui a pontuação era até 24, pois sempre falava 3×8=24.
    Pipas também eram uma grande diversão, um primo meu fazia e sempre acabava comprando na época de ventania, geralmente de novembro à fevereiro.
    Se me lembro o mais hardcore que cheguei a “brincar” foi uma vez que me apresentaram uma arma feita com a parte de cima de uma garrafa PET com um balão preso no gargalo, a qual a gente usava para disparar grãos de soja e feijão nas outras crianças que brincavam e também em alguns transeuntes(!), os hematomas roxos eram presentes sobre todo mundo.
    😀

  • Alessandro D´ Agostin

    Alessandro D´ Agostin – 31 Anos – Técnico de Informática – Colombo – PR

    Olá Geeks, eu joguei muito Betz (taco) aqui era chamado assim e em cada lado tinha uma lata de azeite Lisa que tinha que ser derrubada, em uma grande jogatinha no recreio do primário em meados dos anos 90 ou final dos anos 80 não sei, estava em uma grande disputa de uma partida com próxima, quando acabei derrubando a lata lisa dos meus adversários e meu primo ficou puto da cara e pegou a lata e deu na minha cabeça, tive um corte profundo e tive que ir para o hospital para costurar a cabeça, lembro que todo mundo ficou brigando com o pia enquanto eu ali com a cabeça partida, até que chegou a professora e viu que eu estava sangrando.

    Ótimo cast, eita nostalgia boa, ainda mais os jogos de verdade desafio.

  • Rogério Silva Oliveira

    Olá, meu nome é Rogério, sou medico veterinário e moro no interior de Goiás.
    Aqui em Goiás o nome da brincadeira não era Taco, era “BETE”.
    Quando eu era moleque as lojas de 1,99 da cidade começaram a vender as famosas armas de bolinha, as primeiras eram tão fortes que quando atirávamos contra a parede elas sempre despedaçavam as bolinhas. Um belo dia estávamos em casa sem nada para fazer, um primo e eu resolvemos que seria divertido ir na pracinha em frente a casa para caçar passarinho com as armas de bolinha, chegando lá, não achamos passarinhos na praça, então resolvemos testar a mira nas lâmpadas da praça, quebramos todas. Saímos da praça e fomos pela cidade atirando em tudo que víamos, quando voltamos para casa tinha uma viatura da PM na porta, estranhei mas não fazia ideia do que a policia estaria fazendo ali. É claro que a causa da visita da policia era o vandalismo que tínhamos feito. Depois de levar um bronca da policia, e uma bronca maior ainda do meu pai, minha mãe pegou todas minhas armas, as armas do meu primo colocou na calçada e quebrou uma por uma com um martelo de bater bife. Não me lembro do que o policial me falou, nem da bronca do meu pai, mas me lembro bem das armas sendo destruídas.

  • Icaro Guimarães

    Fala galera
    Mtoooo bom o cast , nostalgico!
    Reparei que o Maury ficou meio queto, mas criança de apartamento é isso ae ne! o universo deles é o espaço de 3×3 do carpete da sala kkkkkkkkk
    Lembrando dessas brincadeiras que só eram motivo pra dar porrada nos amiguinhos (eram as minhas preferidas) , faltou citar a classica, “fusca azul”.
    Ei se rolar o campeonato de taco eu participo! rsrs
    um grande abraço!
    RAULLL

  • Pirassununga

    Nossa, muito bom o cast, chorei de rir, parabéns

  • Rogério Missio

    Olá geeks, aqui é o Rogerio Missio, o papai noel da cabalaria geek (nossa, quanta honra poder me apresentar assim).
    Antes de mais nada quero agradecer solenemente o meu cargo e a minha cerimonia de condecoração. Ja sobre esse episódio, eu simplesmente viajei de volta a infância, principalmente no jogo de taco. Eu pude acompanhar em outros comentários que em mais de um lugar no pais este jogo era conhecido como “bétis” ou algo que soe parecido. Aqui em Campinas jogava-se muito “bétis” e as casinhas eram feitas com latas de óleo de soja, lembram disso? Antigamente óleo de soja era vendido em latas, como se fossem 3 latas de ervilhas empilhadas. Somente depois de grande fui entender de onde derivava o nome “bétis”, vem do jogo Cricket “bats”, ou seja, tacos!
    A melhor parte era quando a bola vinha alta e alguem agarrava. Chamávamos isso de “agarrar vitória”. Bom vou ficando por aqui, Raul a todos e ho, ho, ho feliz natal! (Com virgulas)

  • Rogério Missio

    Cabalaria = cavalaria (maldito corretor ortográfico). Ha, ha, ha! Ho, ho, ho feliz natal!

  • Guilherme Queiroz

    Não sei quem disse que não participava de verdade ou desafio que as meninas não queriam ser beijadas por ele. Eu me identifiquei com isso, pedi pra brincar de verdade ou desafio da escola mas não me deixaram participar 🙁 haha

  • Igor R. Uehara (19 anos, estudante de agronomia, a espera de um cargo, Londrina; PR @igor_uehara)

    Esse podcast serviu exclusivamente para reafirmar que minha mente é poluída

  • Olá, Tato e Prof. Maury.
    Muito massa o programa.
    Confirmo tudo que o Dudu disse. Somos da mesma geração e praticamente brincamos aqui todas as brincadeiras como pula sela, garrafão e castanha. Essas duas últimas eram muito violentas.
    Certa vez, brincando de “castanha”, eu levei de um colega um mega soco bem nas costas na altura do pulmão que me deixou sem voz(igual ao que o Dudu falou) no meio de uma aula. Eu e esse meu colega fomos levados para a diretoria da escola, ele para ser advertido pela diretora e eu para ser examinado. A coisa ficou séria quando a mãe dele e a minha chegaram na escola para resolver a parada. Foi tenso.
    Eu também fabricava meus “armamentos”. Fazia estilingues e espingardas com madeira e elástico e as usava nas guerras usando balas de mamona, uma planta que tinha em grande quantidade por aqui. Isso doí pra cacete quando alguém era atingido, mas guerra é guerra. Vale tudo.
    Os jogos de tabuleiro e os de beijar eu só começei a jogar quando já tinha uns 15 anos e brinquei pouco.
    Eu queria muito ter jogado taco. Devia ser muito massa. Que pena que isso não tem por aqui.
    Parabéns pelo cast e um grande abraço.
    Allan Rui Matos.
    Salvador – BA.

  • Ótimo programa galera

    Só para adicionar aqui no sul bolinha de gude se chama Quilica, ou Kilica, sei lá como se escreve isso hahaha

    Abraço

  • Pow aqui em brasília esse jogo do taco, chamamos de bete. e falamos licença do betes.
    Muito bom o programa

  • MarceloSallex

    Um dos melhores Eps a RedeGeek.

  • StefanPasoldDamacena

    FALAAAAA CAVALARIA GEEK!  #RAULLL
    Caralho, taco não tinha essas regras aqui, o resto foram as mesmas brincadeiras, pega-pega, verdade ou  desafio ( aqui era verdade ou consequência ) e todas as outras citadas, nossa bons tempos de crianças deu até saudades.
    Abraços.