Ultrageek 95 (WeRgeeks) – Do vinil ao MP3

Ultrageek 95 (WeRgeeks) – Do vinil ao MP3

Olá, olá, olá Geeks!

Neste episódio Tato Tarcan e Prof. Maury recebem os amigos Ricardo Terrazo Jr. e @OckTock" href="https://twitter.com/ocktock" target="_blank">Ock-Tock para viajar pela história dos tocadores de música. Em um programa nostálgico, vamos reviver um pouco de cada uma das ferramentas que já usamos para ouvir música: o vinil, fita K7, CD, MP3 player, smatphones e outros devices.

Nesse episódio: ouça uma pessoa traumatizada com Legião Urbana, descubra a verdade sobre o vinil ser melhor que o CD, lembre-se das saudosas fitas k7, pire com a segunda utilidade do raio-x, conheça um disco de ouro interplanetário e aprenda a fazer uma venda casada de k7!

  1. LINKS DO PROGRAMA:
  2. Bazar Pop
  3. Canal Masculino
  4. Máquina do Tempo
  5. Discos contrabandeados em chapas de raio-x

 

Sobre o autor

A Rede Geek é um hub de conteúdo geek, com podcasts, vídeos, blog, produtos e serviços feitos especialmente para a galera que é apaixonada por tecnologia! Siga a gente nas redes sociais e fique ligado de tudo que rola por aqui! ;D #RAULLL

  • Eu ainda tenho um Walkman.
    RAULLL! o/

  • Eu nunca tive um Walkman.
    o !LLUAR

  • tiagogrunge

    Excelente programa galera. Me lembrou de um podcast que fiz a uns 2 anos atrás.
    Quem tiver interesse http://tavernafilosofica.wordpress.com/2011/08/18/cast-004-arte-musica-e-velharias/
    #RAUL

  • Roger ‘koy’ Gelonezi

    /* Bauru-SP, 27 anos, analista e consultor de sistemas. */

    ~~ Thomas Edson e Emile Berliner eram produtores musicais concorrentes;
    Edson tinha a Edson Records, que mais tarde se tornou a EMI ~~
    Tem pedaços do meu cérebro até no lustre, eu literalmente senti ele explodindo e fazendo som de cocô mole espirrando.

    Uma curiosidade, eu estava com uma sensação de que fazia tempo que não tinha programa, mas como tem sempre o Update, imaginei que era apenas uma impressão.
    Quando descubro que eu PULEI um episódio, isso mesmo, pulei um episódio, que vergonha.
    Pensando pelo lado bom, vou aproveitar para engatar dois eps num só dia.

    Grande abraço galera!

  • Obrigado pelos ótimos momentos deste cast, como estou batendo nos “enta” eu também tinha disquinhos com histórias da disney, para o saudosismo do Ock-Tock, alguém colocou quase todas elas no Youtube: http://migre.me/eba0I

    Um grande RAULL! para vocês

  • Cara, esse episódio me encheu de sentimentos. Embora seja a “contramão” das tendências, eu ainda tenho em meus pcs minha coleção de músicas. Como gosto bastante de música mais antiga, sobretudo jazz e soul, tenho muita vontade de montar uma coleçãozinha de discos de vinil, até porquê hoje em dia você acha aquelas “vitrolas” com usb com um ótimo preço, aí basta colocar um par de caixas boas pra montar o set, mas nem tudo são flores, como moro em apartamento, e espaço é luxo, prefiro ficar com meus mp3 mesmo, aos poucos vou refinando minha coleção pra que todos fiquem com pelo menos 320kbps. Até porque, sei que minha coleção não é das maiores, mas mesmo assim, 40gb de música, em vinil… é melhor deixar pra lá. Enfim, mais um ótimo tema, mais um ótimo cast. Parabéns.

  • É um Pássaro? É um Avião? Não é o Capitão Planeta!

    Eu tinha umas centieduzentas fitas K7 na infância. Gravava programa de rádio, fazia jornais com meus primos, com apresentador, repórteres, entrevistados e tudo mais. cheios das marras.
    Algum tempo depois da chegada o CD, que como toda nova tecnologia, vem ao Brasil a preços ridículos, foi que eu vim a ter um mini system. Lembro até hoje que meu primeiro CD foi o “Live on two legs” do Pearl Jam! Tenho até hoje, e a famigerada caixinha de papelão já ta desbeiçada coitada.
    Costumava comprar alguns discos laser, mas depois do advento do mp3 só compro álbuns das minhas bandas preferidas, mais pra prestigiá-los do que pelo apego à mídia em si. E claro pra manter a coleção em dia. Fã é fã.

    ótimo “POGRAMA”

    Abraços efusivos!

    e como não poderia deixar de ser: O PODER É DE VOCÊS!

  • Gabriel Tavares

    Nesse momento em que escuto pela segunda vez o cst, eu sinto como se tivesse lembrado todas as merdas que fiz na noite passada. Só que ao invés de coma alcoólico, foi a minha mente que tinha apagado as minhas experiências musicais nos anos 90!

    Eu tinha um gravador vermelho, amarelo e azul e uma vitrola vermelha, amarela e azul… Eu tinha a coleção completa! acabei lembrando que a minha paixão hoje por PODCAST é desde essa época os vivia gravando pequenos programas de comédia no gravador de fita K7!

    Um abraço, ficou ótimo! #RAULLL

  • Gabriel Tavares

    Nesse momento em que escuto pela segunda vez o cst, eu sinto como se tivesse lembrado todas as merdas que fiz na noite passada. Só que ao invés de coma alcoólico, foi a minha mente que tinha apagado as minhas experiências musicais nos anos 90!

    Eu tinha um gravador vermelho, amarelo e azul e uma vitrola vermelha, amarela e azul… Eu tinha a coleção completa! acabei lembrando que a minha paixão hoje por PODCAST é desde essa época os vivia gravando pequenos programas de comédia no gravador de fita K7!

    Um abraço, ficou ótimo! #RAULLL

  • Roger Takada (32 Anos, Dekassegui, Correspondente Internacional da CG, Tsu-Shi/Japão)

    Olá olá olá geeks…

    Muito bom este episódio, gostei do tema e das informações passadas no cast.
    Putz… pensar que no começo usavam uma “trozoba” de cera para tocar música, hahaha, que bom que temos o querido MP3 hoje.

    O episódio foi legal de ouvir, divertido como sempre… minha cabeça também foi para os ares com a informação de que a Edison Record acabou se tornando a EMI.
    Eu como bom geek/nerd fui atrás de confirmar a informação (além da Wikipédia), infelizmente não encontrei a confirmação, pelo contrário… acabei encontrando um artigo que ligava a empresa de Berliner (Berliner Gramophone) a EMI. (Tijolada???)

    Bom… foi muito legal relembrar da clássica fase dos anos 80/90… me divirto de montão com a frase “Lembra, naquela época…” , pois eu também sobrevivi essa época. Hahaha
    Porra velho… capa do disco Xou da Xuxa… tipo rolava uma transparência na blusa da Xuxa, os baixxxinhos exxxpertoxxx me entendem… percebe, Xou da XuXa (mensagem subliminar, XXX)!!! HAHAHA

    Também tive um aparelho de som 3-em-1 com Double Deck, Walkman, DiscMan… e me lembro do meu pai instalando a “gaveta” no som do carro, que além de tornar o TapeDeck “portátil”, o do meu pai ainda tinha um equalizador TOJO acoplado, ou seja, eram dois tijolos para carregar.
    Usei muito também os MD’s, só que na fase em que eu cheguei aqui no Japão (1998), hoje pouco se vê dos MD’s. Legal também terem lembrado do Napster, acho que o MP3 realmente deve muito ao Napster… depois veio o Kazaa, o Emule… mais aí é tema para outro cast.
    Amo música… e compro (de verdade) as minhas favoritas. A Apple concerteza facilitou muito a nossa vida nesse sentido, tanto com o iPod, como depois com a loja do iTunes. O acesso aos conteúdos em áudio hoje, além de simples, tornou-se quase que cotidiano.
    Percebo que o episódio foi “patrocinado”, e vcs tem direto, afinal vivem disso. Mas gostei da naturalidade como foi abordado no episódio. Fiquei até com vontade de comprar uma Dock Station nova. (aquela quadrada laranja, caso vcs consigam uma pra mim!). 😉

    Ah! Gostaria de ressaltar a sutiliza do editor (Tato?), no inicio do episódio colocar o efeito do chiado de vinil. Imaginei fazendo o movimento de encaixar a agulha na trilha da borda do disco. FODA!!!
    Agora vou fazer uma crítica (construitva, pq gosto de vcs! S2), achei que a pauta ficou meio bagunçada dessa vez… as vezes os assuntos eram adiantados além do foco, e depois voltavam atrás com o foco anterior. Não que ficou zuado… ficou legal, como num bate-papo. Mas como um episódio de referência sobre o tema, acho que perdeu um pouco.

    E isso geeks, muito sucesso pra vocês, que vocês consigam sempre fazer mais episódios interessantes, e que, a WeRgeeks Inc. possa crescer cada vez mais. RAULLL

  • Roger Takada (32 Anos, Dekassegui, Correspondente Internacional da CG, Tsu-Shi/Japão)

    PS: Maury me zuou de novo no momento RAULLL… Maury, sabia que eu tenho um Death Note???
    PS2:Hahaha, muito bom os extras no fim do cast… “Cabeças em Itálico” foi demais!!!!

  • Boa noite Tato e Mauri…
    Meu nome é Aluísio, moro em Vitória – ES.

    Cada vez me surpreendo mais com o conteúdo do Wergeeks… Vocês são foda pra garai…

    Queria dizer que tenho um Dock onde sempre que estou sozinho, uso para ouvir meus podcasts…
    Fico torcendo por uma horinha de privacidade para curtir o melhor da podosfera brasileira, mas confesso que não dá pra ouvir quando estou acompanhado!

    Também curto ouvir os podcasts no carro, mas só se não tiver carona, como no momento estou sem carro, vou ouvindo no buzão mesmo com fone de ouvido e sempre sendo surpreendido com alguém olhando pra minha cara sem entender o motivo da graça…

    Curto muito o trabalho de vocês e desejo muito sucesso para vocês…
    RAULLL!

  • Lembro de quando vi pela primeira vez um player de MP3: meu amigo chegou na sala, no ensino fundamental, e sentou ao meu lado com fones de ouvidos que estavam ligados na caneta que ele estava usando para escrever. Quando ele disse que estava ouvindo música dali, soltei a pérola:

    -“Ué, que mentira, se você está ouvindo música aonde raios você colocou o CD nessa caneta?”

    (silêncio vergonhoso antes da explicação) hehe

    Ótimo episódio!

    Abs

    Sales

  • Diogo Lopes Bastos

    Antigamente eu me enfiava no quarto dos meus pais para escutar rádio, ouvindo as musicas, programas esportivos e de comédia. Como eles queriam as vezes deitar na cama, resolveram me dar um Walkman, fiquei feliz e frustado, pois era só meu, mas o gasto com pilhas era gigante.
    Quando veio o MP3 foi uma alegria porque finalmente poderia baixar as musicas que gostava, só era um desafio encontrar uma boa comunicação na internet discada usando o programa Kazaa.

  • Roger ‘koy’ Gelonezi

    Olá olá galera.

    Sou o Roger ‘koy’ Gelonezi, de Bauru-SP, Analista, programador e consultor de sistemas, 27 anos.
    Cargo: Programador, Status: StandBy.

    Tenho uma fofoca espírita para contar.

    Uma vez fui ao centro espírita que frequentava o Curso de Orientação Espiritual e Mediúnica (COEM) e levei um livro do Sherlock pois sempre chegava cedo, quando meu professor chegou em mim e falou a curiosidade abaixo:
    “Sabia que Conan Doyle na verdade não escreveu os livros do Sherlock Holmes? A esposa dele trabalhava como dama de companhia para um senhor de muito dinheiro que tinha como hobby escrever livros e não publicá-los, algumas vezes seu marido ia junto a casa e este senhor lhe ofereceu um de seus livros para leitura, que o deixou fascinado. Quando este senhor morreu, sir Arthur pegou todos os livros e os publicou sob seu nome.
    Sua esposa pelo sentimento de culpa devido ao enorme sucesso e dinheiro que não eram seus por direito foi ao umbral* ao desencarnar. Lá ficou por muito tempo até ser encontrada e guiada a um hospital por um grupo mediúnico, que relatou a história mais tarde.”
    Se isto é verdade, não há evidências, mas ao menos explicaria Sherlock Holmes ser tão foda e The Lost World uma grande merda.

    Grande Abraço

    Raul!

    *Umbral é um local semelhante ao limbo católico.

  • Falaaa galerinha beleza!
    Faz um tempo que não comento mas estou sempre ouvindo o cast!
    Sobre o programa foi muito bom lembrar das velhas mídias, vinis, fitas k7, cd até chegarmos ao bom e velho mp3.
    A primeira fita k7 que eu tive foi dos Titãs Acústico de 1997, que maravilha era aquilo. Vocês falaram da rádio que os caras interrompiam as músicas era bem legal quando ligava pra rádio e pedia a música e o radialista soltava sem cortes e ainda falava “essa é pra gravar pro Leonardo do Guarani” (bairro onde eu morava).
    Os convidados foram muito bem, gostei bastante da sacada e das explicações.
    Ótimo programa como sempre!
    Grande abraço galera!!!

  • Oi amigos, desculpe atraso, muito bom o cast, eu passei por boa parte do que foi falado, eu tinha um amigo que agente pagava ele para fazer a fita com as musicas do rádio! Podem me criticar, mas eu não sinto a minha saudade da fita e do LP, eu tinha um estúdio entre 95 ate 2002 +- e cheguei a ter o gravador de MD, ele usava a a mesma tecnologia do cd, só que no CD vc tem o áudio sem nenhuma compactação, ao contrario do que vcs falaram, eram 44.1khz por 16 bits, wave puro, já o MD tinha compactação proprietária da SONY, mas era quase perfeita, bem melhor que a compactação usada no MP3! Muitas pessoas chegavam com fita para eu passar para o CD achando que a musica ia ficar limpa, a grande vantagem do digital era que ele não perdia a qualidade com o desgaste do uso, ele mantem a qualidade que era colocada nele, um amigo passou vários LPs para CDs e os mesmos tocavam igual ao LP com chiado e tudo! O lance que o povo gosta dos graves do LP é que o mesmo não pode ser gravado sem passar por um filtro que justamente tira os graves, pois se os mesmos fosse gravados no disco, a agulha ficaria pulando, então prensa o LP com o áudio passado por este filtro, e o aparelho reprodutor tem o filtro que re-poe as frequências cortadas, mas claro não fica perfeito mas fica com um grave legal! Curiosidade este filtro se chama R.I.A.A., não é a toa que é o nome da Associação da Industria de Gravações da America! por isso que as vezes vc acha um áudio antigo na internet e o som esta sem graves, o cara digitalizou direto da pick-up sem passar pelo filtro, pra resolver, a maioria dos programas editores de áudio tem a equalização com o nome riaa ou apenas “reforço de graves” ! Cheguei a comprar cd virgem de 25,00 reais e passa 40 minutos para gravar em 97, e torcer para dar certo mesmo a gravadora sendo da HD com controlador SCSI e custando 1000 reais este conjunto na época! Eram tempos difíceis, agora se tem gente fazendo porcaria com a tecnologia digital, não se pode culpar e falar que LPs são melhores, ai tem mais de gosto, ai se respeita, o saudosismo, mas dizer que era melhor, não acredito!
    Sobre o MP3, eu já li um exemplo numa revista americana de áudio, falando que se vc grava na sala da casa e se na cozinha vc liga um liquidificador, o som dele ficará gravado no áudio mesmo vc não ouvindo, a compressão mp3 retira toda informação que o nosso ouvido pode captar! Fico imaginado como seria comparar a musica com e sem a compressão mas de modo que vc possa notar o que foi “mutilado” do áudio, talvez os cachorros percebam a diferença, mas pelo menos, eles não reclamam! rs
    Valeu!
    Bené
    P.S,: sem cargo, pois não comprei a caneca ainda! rs

  • Eu nunca fui muito chegado em musica…

    Mas é claro que não deixei de gravar minhas fitas quando tocava as musicas no radio!!!

  • StefanPasoldDamacena

    FALAAAAA CAVALARIA GEEK!  #RAULLL
    Eu me lembro do meu primeiro vinil, foi um do Jimmy Cliff com a capa amarela, depois foi um do Metallica se não me engano, sim gosto musical nota 10. mas convenhamos o MP3 foi a mão na roda da tecnologia tudo ficou melhor e mais portátil com ele.
    Eu tive um discman da sony com antishok de 45seg. era incrível, mais incrível foi a velocidade q ele foi roubado de mim em menos de 1 semana… Depois disso eu abandonei a ideia de áudio portátil até a chegada dos mp3, mp4 e afins.
    Abraços!