Promoção: LG Optimus 3D

Promoção: LG Optimus 3D

É isso aí #CavalariaGeek, nada como começar a semana com uma grande promoção! É isso mesmo, nosso amigos da LG vão dar um LG Optimus 3D em um concurso cultural!

O tema do concurso é  a campanha de dia das mães da LG, a Mãe 24h, onde eles brincam com o fato das mães ficarem acordadas esperando os filhos e portanto são mães 24h. Seguindo esse conceito, a proposta é bem simples, deixem nos comentários um pequena história dizendo: “Qual a maior preocupação que você já fez sua mãe passar“?

Um pequeno detalhe queridos leitores, não é apenas vocês que estão participando, leitores de outros 4 blogs também estão concorrendo, ou seja, a melhor história entre os 5 blogs que estão fazendo parte do concurso cultural ganhará o prêmio! Então caprichem em suas histórias para que esse smartphone LG Optimus 3D fique com a #CavalariaGeek! o/

Regras

1) A história deve ter no máximo 10 linhas nos comentários;
2) Período de participação – de 07 a 11 de maio de 2012 até as 12h (horário de Brasília);
3) Usem um e-mail válido para nós comentários, pois essa será a forma de entrarmos em contato com o vencedor. Se quiser deixar o seu twitter junto com a sua história para facilitar sua localização, também é permitido;
4) O vencedor tem 2 horas para responder o e-mail de contato, caso contrário será desclassificado automaticamente;
5)  Divulgação do resultado será no dia 15 de maio de 2012;
6) Blogs participantes: WeRgeeks, Ultradownloads, Objetos de Desejo, Teki Mobile e Papo de Bar.

COMENTÁRIOS ENCERRADOS

Agora é só esperar a apuração do grande vencedor! ;D 

RESULTADO

A história escolhida pelo WeRgeeks para ir apra a final foi da Rafaela Oliveira Cruz, que já levou um mouse sem fio como prêmio!
“Foram várias preocupações. Sempre fui muito levada, bagunceira, enfim. Fazia coisas de deixar qualquer mãe maluca. Quando eu tinha 3 anos,por ser muito levada, mamãe antes de dormir trancava a casa toda e colocava a chave debaixo do travesseiro para eu não fugir de casa. Quando foi um belo dia, mamãe acordou e a casa estava um silêncio e ela foi logo passando a mão debaixo do travesseiro p ver se a chave ainda estava lá e a chave estava, e a casa estava toda trancada, as portas, janelas, tudo. Aí ela me procurou pela casa toda, em todos os lugares, armários, guarda-roupa,debaixo da cama, tudo. E nada de eu aparecer. Mamãe ficou desesperada. Aí ela foi na cozinha e escutou um barulho, quando mamãe abre a geladeira, quem estava lá dentro? Eu =] Estava escondida dentro da geladeira. Abri aquele sorrisão e falei: Mamãe me achou!”

O Campeão

A história campeã do concurso foi enviada pela Ana Flávia Diniz Barbosa através do blog o Ultradownloads. Parabéns!

“Foi mais ou menos aos 12 anos, quando me apaixonei pelo mundo do PICADEIRO e resolvi fugir, de bicicleta, atrás de um CIRCO. Coitadinha da minha mãe, quase enlouqueceu, teve que fazer CONTORCIONISMO para ir atrás de mim e no final de tudo, eu que tive que fazer MALABARISMO para não apanhar!”
 

Sobre o autor

  • po véi… a unica história que eu tenho é triste bagarai… =/ nem sei se rolaria…

  • Yuri Melo

    Quando eu tinha 11 anos descobri que tinha alergia a qualquer comida que tivesse corante , mais como eu era criança acabei pedindo algumas balas de urso para um amigo meu , o que resultou em uma criança indo para o hospital com urticária , quando minha mãe chegou comigo no hospital , eu já estava com alergia pelo corpo inteiro, lembro que fiquei internado por um 2 dias , pois a urticária já tinha chegado até o meu pescoço e estava ficando sem ar , lembro que minha mãe ficou desesperada e correu para chamar a enfermeira , no final eu acabei tomando uma dose de adrenalina que foi o que me salvou.
    A minha mãe só tenho a agradecer por sempre comigo.

    Email – [email protected]
    Twitter – YuhTouch

  • Quando eu completei 18 anos tirei minha carta de motorista. Nessa mesma época minha mãe sofreu um princípio de enfarto no coração e o médico disse que ela não poderia sofrer esforço ou mesmo ter emoções fortes por ao menos 1 semana. Como ela não poderia dirigir por 1 semana, o novo motorista da casa tinha que leva-la para os lugares e médicos. Pois bem ao sair do hospital eu dirigindo o carro dela uma parati na época resolvi que deveria cortar um ônibus parado em um ponto, e coloquei o carro do lado, ao puxar o carro de cara vinha outro ônibus na direção contrária, o normal serial voltar e ficar atras do que estava no ponto, eu olhei para ela e falei “confia em mim que sei o que to fazendo” resultado enfiei o carro no meio de dois ônibus, passei tranquilamente pois tinha espaço, porem ela que não poderia sofrer emoções fortes teve o teste do coração efetuado antes do tempo.
    Graças a Deus o problema do coração não deu em nada e hoje ela está bem, sem sequela alguma e dirigindo para todos os lados e confiando em mim quando precisa que alguém dirija.

  • Moro em SP, e uma vez num mês de férias, fui para casa de uma amiga em SC. Acontece que disse para minha mãe que estava indo para o interior de SP. Só que quando chego no aeroporto de Chapecó-SC, tinha acontecido uma enchente na casa da minha amiga e eu perdi o contato com ela. Depois de dormir uma noite no aeroporto vazio, consegui ir para casa de um outro amigo em Curitiba. Quando liguei para casa (depois de 2 dias “off”) disse que estava em outro estado, e ela PIROU! Ficou sem dormir pq nao sabia se estava bem até entao, e tinha acontecido um acidente na cidade onde eu deveria estar!! Foi tenso quando voltei para casa…. rsrs

  • Bruna Alves

    A minha é meio triste também, mas foi quando eu fiquei mais próximo da minha mãe… e ele foi mais que 24 horas… (meus olhos até encheram de lagrimas agora).. vai essa mesmo…

  • Meu pai trabalha em um clube de pesca e não faz muito tempo, há uns 2 anos atras, eu sai com meus primos e minhas irmãs para escalar uma cachoeira e chegar até a 8º. Saímos do Chalé mais ou menos 12:00 dizendo que logo voltaríamos, se passaram 5 horas e nada da gente voltar, não só a minha Mãe ficou preocupada, meu Pai também ficou muito nervoso, mandou um guarda que tem nesse clube de pesca ir atras da gente e nada, dai meu Pai todo nervoso foi atras de nós com um facão, e quando ele chegou na cachoeira, lá estávamos nós, meu primo viu o meu pai e disse pra eu olhar, quando eu fui falar com ele, ele todo nervoso começou a brigar com a gente (com o facão na mão) disse que minha mãe estava chorando, nervosa, passando mau e tal (exageros de pais). Voltamos para o Chalé e ouvimos mais ainda, só que dessa vez da minha mãe, ela não contente pelo fato do meu pai ter brigado com a gente, ainda nos deixou de castigo, um final de semana inteiro sem sair de dentro do chalé. E o pior é que estava um calor dos infernos e não podíamos ir para a piscina!

  • Essa história é velha, minha mãe me contou uma vez que quando eu tinha 1 ano e 3 meses a minha irmã Jéssica nasceu e que eu fiquei morrendo de ciumes! Uma semana depois, a minha mãe deu banho na Jéssica e a colocou para dormir e eu só de olho. Minha mãe foi para a cozinha e me deixou sozinha com a minha irmã, e eu fui até o berço, tirei toda a roupinha da Jéssica e como o umbigo dela ainda não tinha caído, eu fui e arranquei, e ela começou a chorar minha mãe saiu correndo pra ver o que tinha acontecido, e lá estava eu dentro do berço com as roupas dela na minha mão, a Jéssica cheia de sangue e o umbigo do lado dela. Minha Mãe pegou a Jéssica e saiu correndo para o hospital, a coitadinha quase morreu. Hoje eu e minha irmã somos muito amigas, mas confesso que nesse dia a minha mãe ficou muito preocupada e com medo de me deixar chegar perto da minha irmã!

  • Bruna Alves

    A situação que mais marcou meu relacionamento com minha mãe, foi quando eu tinha 9 anos de idade, eu estava brincando com um amigo meu de queimar uns brinquedos, e acidentalmente o fogo acabou pegando em mim, e eu ganhei uma queimadura de 2º grau no pé esquerdo o que atingiu o meu tendão e me fez perder os movimentos. Sem poder andar, ela me carregava para todos os lugares, me ajudava no banho, me levava pra escola. Mas o momento que eu mais guardo e quando eu tinha que fazer os curativos três vezes por semana. A dor que eu sentia era tanta que ela não me deixava sozinha chorando e chorava junto comigo enquanto os enfermeiros trocavam as ataduras e limpavam a queimadura. Depois veio a fase de fisioterapia para recuperar os movimentos e hoje graças a força que el ame deu eu voltei a andar.

  • Rosângela Borges

    Tive um mal estar súbito qdo fazia a 2ª fase da FUVEST, corre corre, ambulância, Pto Socorro e ninguém sabia o que eu tinha, só inchando… Depois de 4 dias em observação os médicos resolvem me operar e nem avisam minha família, visto q eu já era maior e assinei o termo. Na última visita q me fez minha mãe saiu chorando tentando esconder e me falou que ia fazer uma promessa pra N.Sra.Aparecida. Qdo voltei da anestesia e fiquei sabendo a promessa q ela fez e eu tinha que cumprir!! Com meu casamento marcado prometeu q eu levaria meu buquet no Santuário em Aparecida. Ou seja, melou a minha lua de mel, pois tias e família toda quis ir junto no dia seguinte ao meu casamento!! Tô viva a graças às minhas mães da Terra e do Céu!! Mãe é mãe! Amo as 2!

  • Renan Forte

    Surgiu uma dor na barriga sem causa definida, fui internado e fiz vários exames. Minha mãe chamou um amigo que é médico, que ficou mt preocupado e achando que iria operar pra ver o que tinha lá dentro. Só podia ficar um acompanhante à noite, minha mãe se escondia na escada de emergência no fim do horário de visita e depois que trocava o plantão da noite ela vinha pro quarto no escuro e ficava em pé atrás do armário, onde fazia vigília, se revezando com meu pai, quando entrava a enfermeira para dar os remédios. Ela ficava orando e fazendo Reiki em mim o tempo todo. Numa noite,uma enfermeira falou: “pacientes que tem uma ‘anja’ da guarda que dá a luz e ama, rapidinho fica bom!” No dia seguinte sem saber o que era melhorei e tive alta.

  • Tiago Agostinho

    Quando eu tinha 5 anos, lembro que um dia minha mãe havia saído para fazer compras. Eu e meu irmão, ficamos no apartamento com meu pai, que estava dormindo. Resolvemos brincar com água, então tapamos o ralo da pia e deixamos encher de com água, quando fomos fechar, a torneira quebrou e jogava água para todo lado da lavanderia numa grande quantidade. Fomos avisar meu pai, mas como dormia, nem deu bola e achou que estávamos mentindo. Então pegamos 2 baldinhos e começamos a jogar a água pela janela, que no momento já estava cobrindo o chão. 20 minutos depois minha mãe chega e avista-nos na janela com os baldinhos e sai correndo preocupada. No apartamento, ela vê a vizinha do andar de baixo perguntando-lhe se havia uma piscina no nosso apartamento, pois no seu apartamento estava com infiltração. Minha mãe ficou tão preocupada que achou que nós poderíamos estar se afogando no apartamento.

  • Guilherme Godin

    Fala galera, a maior preocupação que já fiz minha mãe passar foi quando fui viajar para Cabo Frio, onde uma tia minha tem casa, e fui dar uma de surfista na praia. Resultado, me ferrei, lógico, me afoguei e como ela nao sabe nadar, ficou louco na areia me gritando desesperada. Para se ter ideia eu, mesmo tomando vários caldos e caixotes conseguia ouvir minha mãe gritando meu nome lá na areia. Os salva-vidas me tiraram da água e antes mesmo dos primeiros socorros minha mão já pulou em cima de mim e começou a dar socos no meu peito. Detalhe, ela não consegue salvar nem uma formiga da morte, mas se tratando de mim, seu único filho, acho que ela conseguiu. Fica ai minha historia, abração.

  • Caroline Yared

    São tantas histórias que eu não sei nem qual contar, mas….
    Houve um dia, quando eu tinha apenas uns três ou quatro anos, eu fiquei doente com uma forte tosse, sistomas diferentes e minha mãe decidiu me levar ao médico. O médico disse que era apenas uma tosse, mas minha mãe continuava preocupada e achava que não era apenas uma tosse, ela me levou em todos os médicos possiveis para eles me examinarem. E todos falavam as mesmas coisas, nisso o tempo foi passando e quase dois meses se passaram. Então um dia ela me levou no hospital onde meu pai trabalha e explicou tudo ao médico e ele disse que ela estava certa, não era apenas uma tosse forte eu estava com Pneumonia atípica, ai foi a maior preocupação da vida, mas graças a Deus eu melhorei e estou boa de saude. Ainda continuo preocupando minha mãe, mas fazer o que é a vida.

    No Twitter: @Carolyne_Smile
    No Facebook: Caroline Yared Vieira

  • No último sábado dia 05/05/2012, à contra-gosto dos meus pais, fui na virada cultural aqui em São Paulo. Eles sempre falaram que por ter muita gente, a segurança é fraca. Mesmo assim fui. Avisei eles que já tinha encontrado meu amigo no metrô e fui rumo ao show cover, no shopping light. O lugar estava tão cheio, que acabou que o meu celular foi roubado sem eu perceber. Meu amigo me emprestou seu celular para ligar bloqueando o número e em seguida liguei para os meus pais, para avisá-los do ocorrido. Minha mãe atendeu e só ouviu o “roubaram meu celular”. Pronto, era o que ela precisava ouvir para entender algo como “estou esfaqueado, sem meus rins em uma banheira, e por acaso levaram meu celular”. Depois de muito tempo tentando acalmá-la, ela realmente só ficou bem quando cheguei em casa, depois de 2 horas. Ah sim, também estava mais calma pela quantidade de remédios que tomou!

  • Quando eu era pequena, devia ter entre 3 ou 4 anos e minha mãe dava aula numa escola e eu estudava na escola do outro lado da rua, mas um dia eu não queria que ela fosse embora (na minha cabeça, ela ia embora! kkk) mas ela tinha que trabalhar e eu fiquei lá.Eu peguei , me escondi pelos corredores e fui ganhando terreno, até chegar do lado de fora da escola, mesmo pequenininha eu pulei o muro e fui atras dela na outra escola, as pessoas na rua que sempre me viam com ela , me levaram até a escola dela e ela quase teve um troço! kkkk levei bronca, mas fui uma fugitiva com sucesso!!!! kkkk alcançei meu objetivo, cheguei até minha mãe e por medo de eu fujir de novo me deixaram ficar com ela lá e ela avisou na minha escola que eu estava bem e com ela =) …. até hoje não sei como consegui pular aquele muro!! kkkkk

  • 2006, eu tinha 12 anos e fazia a sexta série. Era época de feira de ciências, e eu tinha marcado de ficar depois da aula com o pessoal pra fazer o trabalho. Combinei com a minha mãe, e ela ficou com um pé atrás, mas no fim terminou deixando. Eu fiquei depois da aula, fiz o que pude do trabalho, e voltei pra casa até mais cedo do que eu esperava – por volta das 15h. No caminho de casa, parei numa lan house que eu costumava frequentar. Fiquei lá jogando e só saí quando o meu dinheiro acabou – por volta das 19h. Nesse meio tempo, desliguei o celular. Quando entrei pela portaria do condomínio, o porteiro me entregou uma foto minha que minha mãe tinha deixado na portaria, pro caso de eu aparecer, e a chave de casa. Quando eu cheguei em casa, minha mãe já tava na delegacia, chorando litros, colocando meu nome na lista de desaparecidos. Desde aquele dia nunca mais fui pra uma lan house.

  • eu tinha 14 anos e me senti a julieta num affair com um romeu de 18 anos. um dia o dito cujo teve cólica renal, e eu fui acompanhar no médico. depois de horas na fila do hospital, bateria de exames, uma chuva que alagou a cidade e um épico pé na bunda, (ou seja, cerca de 6 horas depois) eu reapareci em casa, molhada, com frio, chorando e não encontrei ninguém. minha mãe já tinha tido ataque de ansiedade e havia sido levada pro hospital de onde eu tinha acabado de sair.

  • Hiro

    Meu deus, mto leite com pêra… pqp…

  • Vanessa Mendes

    No começo de março, sai de manhã com um namoradinho meu, fui ao parque e quando deu 20hrs peguei o ônibus pra ir embora, no meio do caminho resolvi ir pra casa do meu namorado, onde ninguém sabia onde ele morava. Resultado: celular descarregou, e a última mensagem foi: “Já to indo pra casa mãe!” Acabei dormindo lá e acordei 12hrs, liguei o celular e dei de cara com incríveis 50 sms, 30 ligações. Liguei pra minha mãe e disse que tava bem, ela já estava desesperada, ligando pra polícia, já pensando que eu tava largada num boeiro morta. Dei o endereço e em menos de 5min. ela já estava batendo no portão, de perna bamba, brigando comigo e me abraçando. Depois disso, toda vez que vou sair escuto um sermão e deixo um papel com todas as informações possíveis.

    twitter: vanessabx_

  • Thiago

    A minha mãe realmente tem 24 horas de preocupação, que é o meu turno de trabalho no Corpo de Bombeiros. Em meio a incêndios, desabamentos, enchentes, salvamentos em altura e acidentes de todos os tipos, onde a vida e a morte caminham lado a lado, sua preocupação só termina quando ela vê o seu “herói” voltar de mais um missão, realizada com muita alegria e satisfação, pois não existe bem maior que ajudar as pessoas e a gratidão destas é algo indescritível.

  • Lucas Zanganelli dos Santos

    A maior preocupação que eu dei a minha mãe foi durante o meu parto, pois eu nasci desacordado e o cordão umbilical havia dado três voltas no meu pescoço. Quando eu nasci graças a essas condições eu esta azul igual a um Navi, porém eu fui logo levado para o berçário e graças a isso eu nunca tive nenhuma sequela.

  • Gabriel Tavares

    Vão-se duas histórias comuns, eu acho:

    Quando tinha 17 anos viajei com um amigo para uma cidade do interior de São Paulo. Dessa vez haviamos ido sem nossos pais, chegando na casa dos nossos amigos fomos recebidos com hi-fi gelado na mesa, e assim começou o carnaval. No total 6 dias sem dar sinal de vida, chegando a ir em algumas cidades próximas (das quais não me recordo), 2 doses de glicose e no total do grupo 12 doses. Minha mãe me recebeu chorando, coitada. Até hoje peço desculpas xD

    Moro em uma cidade pequena no interior de São Paulo, e em como toda cidade de interior, existe a igreja da matriz, e seus festeiros, que organizam a festa da igreja e tal. Em uma reunião chata, comecei a brincar com os filhos dos outros festeiros na igreja, começamos a brincar de pega-pega no segundo andar e acabamos terminando a brincadeira no 1º, pois eu desci rolando as escadas em “L” da igreja, agarrando o corrimão dando um giro de 270º e quebrando o ligamento e cotovelo de forma quase impossível, eu rodei no meu próprio eixo.
    Quando acordei, olhei meu braço e estava do jeito mais estranho que poderia imaginar. A palma estava pra cima com o dedão apontado para fora, e meu braço dobrado, conseguem imaginar?
    Meus pais desceram correndo a escadaria, meu pai me pegou no colo e me colocou no nosso fusquinha, andamos 15km até chegar no hospital mais próximo. Ao chegar fui colocado na anestesia e fui enviado para cirurgia, ao acordar no dia seguinte, meu braço já estava completamente branco de gesso. A única coisa que lembro depois do gesso e da sensação de ressaca aos 8 anos, foi o médico falando que tive sorte de conseguir manter o braço e os nervos e tendões, pois o resto estava estraçalhado…

    Pai e mãe, vlw.

  • Regiane

    A ultima preocupação da minha mãe foi no carnaval dirigi meu carro na estrada bebada, com amigos mais bebados e loucos no meu carro e bati no carro da frete,perto do carro da policia rodoviária. Uma amiga ligou pra ela logo após o acidente e ela ficou super preocupada.Além do medo de ser pega no bafômetro e estava com medo de ir presa. Mas graças a Deus tudo se resolveu e 3 horas depois consegui falar com ela e levei AQUELA bronca.

  • Wilson Saraceni

    Tinha acabado de tirar a carta e comprar meu Fusquinha, e a grana curta. Marquei com um amigo de sair no sabadão, avisei minha mãe, só que no 1º quarteirão fiquei sem gasolina. Conseguimos empurrar o carro de volta para a garagem e chamamos um terceiro amigo para nos pegar. Como já estávamos atrasados nem avisei o ocorrido em casa. Na balada na hora de pagar minha conta vi que tava sem lenço nem documento, pois a carteira tinha ficado no meu carro. E pra piorar um pouco, deixei a chave também e tudo bem trancado dentro do Fusca, então o jeito foi voltar a pé e dormir ao ar livre na carroceria do caminhão do meu pai e cobrir com a lona. Como acordei tarde já perto da hora do almoço, vi um agito em casa e todos muito preocupados e perguntei para uma vizinha que entrava em casa, o que tava acontecendo, ao que ela me viu em pé no caminhão desmaiou, aí outra apareceu e a socorreu e me explicou, que um colega meu disse q na saída da balada teve um tiroteio e uns caras foram feridos e outros morreram. Vieram avisar em casa, que ninguém sabia de mim, aí a coisa complicou, pois minha mãe foi pra todos os hospitais da região e até IML. Na época não existia celular, até eles voltarem e saber que comigo estava tudo bem foi uma preocupação medonha! A partir deste dia tudo em casa é muito bem avisadinho, no mínimo com um bilhete sob a porta!!! O susto que minha mãe levou… tenho culpa até hoje de tê-la feito passar por isso. Desculpe-me, Mãe. Eu te amo muitoo!!

  • Roberta

    Certa sexta, houve uma festa de final de semestre no municipio vizinho, na qual eu e meus amigos fomos. Saí de casa às 23, de carona, dizendo que voltaria cedo -algo em torno de 3am – e não precisava se preocupar.
    A festa acabou lá pelas 6 e pouco da matina com o Sol raiando, quando alguém disse que teria after na casa de um amigo e eu sugeri fazer um café para a galera.
    Resolvemos ir, e com o agito nem me lembrei de checar o telefone ou avisar a minha mãe, que tinha feito aproximadamente 50 chamadas (para mim. Além de ter ligado para as minhas melhores amigas que não foram comigo e não sabiam dizer onde eu estava) das 3 e meia até as 7horas, quando eu finalmente ouvi o telefone tocando (antes de descarregar a bateria por completo e estabelecer o CHAOS mental na senhora minha mãe).

  • Karen Wasem

    Como trabalhava no hospital, minha mãe acabou ficando toda traumatizada com moto. Há alguns meses atrás, sofri um acidente com a minha moto, tentei ligar pro celular dela, mas ela não atendeu. Pra não deixar ela sem notícias, acabei mandando um sms com a frase “Mãe, sofri um acidente. Tô bem. Tô indo pro hospital”. Quando ela viu a mensagem, começou a ligar feito louca, mas eu acabei deixando o celular na bolsa, e indo de sala em sala. Quando eu fiquei pronta, estava ela lá, dentro do hospital, falando com umas conhecidas, pra saber como eu estava. Já tinha comprado uma tala pra imobilizar minha perna, e quando me viu, ela só respirou e falou “graças a Deus”. E eu ri… muito. E aprendi uma lição: nunca mandar msm pra mãe quando alguma coisa ruim acontece.

  • Henrique Uchoa

    Minha histíria começa quando eu fui de carona com minha mae no shopping, depois que ela me deixou lá eu me encontrei com meus amigos e fizemos a farra lá. Só que detalhe, eu tinha esquecido o celular no carro e nem me dei conta. Um tempo depois um dos meus amigos atende o celular e me passa dizendo que era minha mae e que iria me buscar. Detalhe, já era tarde da noite perto do shopping feichar. Foi uma discusão de como eu iria voltar pra casa, se era de ônibus ou de carona com ela. Acabou rolando um desencontro, ela tinha ido me buscar e não me encontrou lá no shopping pois eu tinha voltado pra casa de ônibus. Quando cheguei em casa foi uma discussão por causa desse episódio. Bom isso serve de lição pra que no próximo dia das mães a gente faz esses erros mais vezes só para deixar marcado nas nossas vidas e eu poder contar pros meus filhos e netos minhas aventuras e como deixar suas mães preocupadas.

  • A um tempo atrás eu passava por sérios problemas de personalidade forte, vamos colocar assim, coisa de adolescente chato que só fazia merda e resolvi surtar igual um louco e ir embora para Goiânia – GO (detalhe moro em Blumenau -SC) assim do nada, sem casa, sem ajuda, sem algum conhecido, nada.
    Naquele dia eu desliguei o celular sumi do mapa e comecei os preparativos para ir embora e minha mãe ficou igual maluca tentando ligar no celular e tentando descobrir o que estava acontecendo, ficou realmente muito preocupada com a ideia da minha pessoa sumir do mapa, naquele dia ela foi até onde eu estava e ficou me questionando o porque daquilo e tal mas eu ignorei e quase, eu disse quase, concluir o meu planejamento. Na hora lembrando do desespero dela e de tudo que uma mãe quer para um filho resolvi desistir de ir embora e acabei aceitando o pedido dela de voltar para casa, por isso agradeço a ela pois com certeza não sei se estaria aqui contando essa história hoje, talvez nem estivesse vivo, se eu tivesse ido embora para tão longe. Aprendi uma lição!

  • fabio faria

    Quando eu era criança…ficava muito na rua com os amigos jogando bola, batendo figurinha, que naquela época eram da copa do mundo e vinham nos chicletes ping pong, ou ainda rodando pião. – bons tempos.
    Sempre tinha uma rotina, de ficar até as 20h e depois casa, banho, para quando minha mãe chegasse estivesse limpo e que ja tivesse jantado. Num belo dia resolvi que iria para casa apenas quando eu quisesse. Fiquei no futebol e depois jogando ping pong com os vizinhos no prédio deles.
    Nisso minha mãe cheando em casa no mesmo horário de sempre ficou desesperada, pois eu nunca havia saido do horário estipulado por ela.
    Foi de casa em casa nos vizinhos pela rua inteira e por fim…foi ao prédio, ao qual fui já surpreendido com um bela chinelada…e fui apanhando de la até em casa…nunca mais!!!

  • Aos 12 anos me apaixonei por uma garota chamada Marcela. Era uma menina linda! Sonhava todos os dias com ela, a ponto de acordar, e ainda continuar pensando nela. Ficamos muito amigos, até que muitas vezes levava ela para escola. Mas ela, não gostava de mim, e sim de um grande amigo. Fui confidente dela por 2 anos. Até que um dia ela, junto com algumas amigas começaram a tirar sarro de mim. Fizeram desenho de um Sapo com óculos, fizeram de tudo para me deixar chateado, e deixou. Começamos a discutir, eu, ela, as amigas dela e meus amigos, até que resultou em encher a casa dela de porcarias. Encontramos uma lista telefônica no meio da rua, começamos a rasgar e jogar várias bolinhas de papel na casa dela. Pense na minha mãe quando soube da história. A mãe da Marcela junto com o Pai dela, resolveu contar. Minha mãe deixou 7 dias sem sair na rua. Além do que, nunca mais fiz alguma besteira como essa!

  • Willame Lima

    A minha história começa assim… Certo dia, como meu local de trabalho às vezes ultrapassa do horário limite de fim de expediente, especialmente nos dias de médicos especialistas…Era uma quarta-feira e é justo neste dia que geralmente o médico Ginecologista vem pra dá o seu plantão e neste dia a menina da recepção, na época , era novata, e acabou fazendo as fichas ultrapassando o limite estipulado pelo doutor, e me recordo que começou a ficar de noite e até os pacientes, uns de minha cidade, outros de cidades vizinhas, diziam : Nossa, como tá escuro ! Por conseguinte, deu umas 7:30 e nada de o médico terminar as suas consultas e exames. Quando menos espero, aliás, já tava esperando, (risos) , mãe mandou minha irmã ligar pra mim porque a mesma estava em estado de choque e ainda ouvi ela chorando bem forte desesperada, perguntando onde eu me encontrava que até aquela hora não tinha dado as caras em casa…Depois desse dia, aprendi que nossas mães são as pessoas mais cuidadosas, atenciosas e importantes de nossas vidas e sempre que eu demoro dou um jeito de ligar pra avisar.

    Meu Twitter : @Willame_Oficial
    Meu Facebook : http://www.facebook.com/WillameEventos

  • foi no carnaval de 2011 , fui pra festa 22:30 aê chegue no i outro dia 7 hrs da manha maior pórre !! kkkkkkkkkkk a casa dos meus tio é bem do lado da minha , aê fui pra la p mae nao brigar “” cheguei e fui dormi na cama do meu primo!! a mae tava loucona ja sem saber onde eu tava , tinha ido em todas as casas dos meus amigo ii eles dizendo que me viram eu entrar em ksa, ela foi procurar na casa toda e nada de me encontrar. deu 1, 2 , 3 , 4 … 8 hrs da noite ii nada deu aparecer (ainda tava dormindo kkkk) ae ela desesperada foi falar com meu tio dizendo que eu tinha sumido ja ia fazer 24 hrs !!! ae meu tio disse que eu tava la “”” ela foi la onde eu tava ii me acordou com um tapao bem na fuça kkk ainda hj doí “”””” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. e ate hj ela fala nesssa historia ae !!!kkkkkkkkkkkkk te adoro mamae ^^

  • Ge Pereira

    Perto de casa tinha uma capela onde se orava e também se velava os defuntos. Num velório eu e as crianças na rua brincávamos de esconde esconde. Eu e Ana corremos pra debaixo da escada, que tinha umas cortinas e ficamos brincando com uma peças que achamos lá e acabamos dormindo. Quando acordamos já era noite, tudo fechado e o caixão bem no meio da capela. Ouvíamos gritos vindos da rua, mas e o medo de passar até a porta? Quando escutei a voz da minha mãe chorando desesperada, falando que eu estava sumida, tive a ideia de subir e tocar o sino. Aí então a gritaria foi geral, pois achavam que era o morto que o tocava, rsrs. Uns fugiram e alguém abriu a porta tremendo. O rosto da minha mãe, naquela hora, ficou inesquecível na minha mente. Abraçamo-nos!

  • Elisabeth

    Ela conta até hoje que ficou muito preocupada, quando ela precisou ir a um médico e me deixou com uma vizinha que era como uma avó pra mim, eu tinha 5 anos na época. E quando ela chegou eu estava brincando com os pastores alemães que ela tinha e havia comido algo verde, pois minha boca estava suja. E sem saber o que era ambas procuraram o que poderia ser. Ao que acharam um pé de comigo-ninguém-pode todo destruído: eu havia comido 2 folhas. Por saberem ser venenosa, a neura se instalou, e foi um corre lavar a boca, tomar leite e correr por hospital. Depois de 2 dias em observação, preocupação, choro, nada aconteceu. Até hoje minha mãe nem quer saber de ter esta planta em casa.

  • Reginaldo Maciel

    A maior preocupação, começou no dia 22 de setembro de 1971, o dia em que nasci! E essa preocupação está na sua cabeça até hoje e nada mais justo de que neste dia das mães, ela ganhar um LG Optimus 3D! Eu, nem queria mesmo um LG Optimus 3D!!!

  • A vez que eu deixei minha mãe mais preocupada, foi quando sai com um amigo meu de moto, que não tinha carteira de motorista. Estavamos descendo a avenida principal da cidade e tinha uma blitz. Quando meu colega viu aquele monte de guardas, tentou fugir e saiu correndo, dobrou a esquina rapidamente, e então pelo movimento suspeito a policia veio atras de nos.
    Tentamos fugir mais foi inutil. Fomos para delegacia, e então tive de ligar pra minha mãe e dessa vez ela ficou muito desesperada, aponto de passar mal. Fiquei alguns meses de castigo mais, realmente foi um “baki” pra minha mãe.

  • Decidida dar uma de aventureira, resolvi fazer uma pequena trilha com os amigos.Destino: Agulhas Negras!Bom, como sempre precisava ligar para minha mãe quando chegasse:“Alô mãe?! Só pra falar que aqui é demais! Ah e parece que vamos escalar uma montanha, mas parece tranquilo, já fizeram várias vezes”.E essas foram as últimas palavras que eu disse para minha mãe antes de escalar 2 791,55 metros de altitude, ficar presa entre as pedras, dar uma de Tarzan com uma cordinha para pular pro outro lado, escorregar na parte mais íngreme da montanha e ficar quase 4h sem beber água ou comer. Detalhe: sem equipamentos.Voltar viva depois disso tudo foi o menos chocante, porque ver a reação da minha foi bem atormentador.Não entrarei em detalhes, mas. sempre antes de sair eu tenho que responder a pergunta: ” Como é mesmo o passeio que você vai fazer?!”

  • Rafaela Oliveira

    Foram várias preocupações. Sempre fui muito levada, bagunceira, enfim. Fazia coisas de deixar qualquer mãe maluca. Quando eu tinha 3 anos,por ser muito levada, mamãe antes de dormir trancava a casa toda e colocava a chave debaixo do travesseiro para eu não fugir de casa. Quando foi um belo dia, mamãe acordou e a casa estava um silêncio e ela foi logo passando a mão debaixo do travesseiro p ver se a chave ainda estava lá e a chave estava, e a casa estava toda trancada, as portas, janelas, tudo. Aí ela me procurou pela casa toda, em todos os lugares, armários, guarda-roupa,debaixo da cama, tudo. E nada de eu aparecer. Mamãe ficou desesperada. Aí ela foi na cozinha e escutou um barulho, quando mamãe abre a geladeira, quem estava lá dentro? Eu =] Estava escondida dentro da geladeira. Abri aquele sorrisão e falei: Mamãe me achou!

  • No terceiro ano do ensino médio (que eu fazia em Cubatão), quando eu fazia ensino técnico de tarde (em Santos), certa vez fiquei na escola o dia todo e não fui para o técnico, para ficar com minha namorada.
    Acabei ficando lá até tarde e minha bateria do celular acabou.
    Minha mãe e o ex-marido passaram minha descrição para a polícia e foram me procurar em Cubatão, pois imaginaram que eu teria bolado a aula do técnico para ficar com a menina o dia todo…
    Na estrada, me viram dentro do ônibus que ia para Santos e pararam o ônibus, freando bruscamente o carro na frente do mesmo.

  • Odilio Pinheiro

    A maior preocupação que fiz minha mãe passar foi quando eu tinha 12 anos de idade e acabei me escondendo, sem querer, após ouvir ela reclamando porque eu não queria estudar, ela estava no meu pé pois eu teria uma prova no dia seguinte. Logo após ficar com raiva por ela estar enchendo meu saco fui para cama chorando a os berros. Algumas horas depois minha mãe foi me chamar para jantar e não me encontrou, foi na rua e perguntou se meus amigos haviam me visto, ninguém sabia de nada, meus amigos e todos que na rua se encontravam iniciaram a busca a mim pelo condomínio onde moramos, já que eu não estava autorizado a sair de lá e o guarda não me vio passar. Depois de mobilizar a polícia e vai saber mais oque, a nossa vizinha deu a idéia de me procurar dentro de casa, procuraram em todos os cômodos, em armários, guarda roupas até que ao olhar embaixo da minha cama, estava eu lá, dormindo, acho que chorei tanto que peguei no sono, quando me acordaram não entendi nada, minha mãe chorando, tadinha, ja eram umas 21h e eu estava cheio de sono, então me colocaram na cama, peguei no sono. No dia seguinte, estava tentando entender oque políciais faziam no meu quarto naquela noite, até que minha mãe me eplicou tudo, quase levei uma surra. TE AMO MÃE!

  • No dia do meu aniversário de 17 anos, eu sai de casa por volta das 17:00 horas falando que iria visitar uma amiga da escola por conta do trabalho , mas na verdade eu sai de casa para ir namorar com uma menina que eu estava ficando. Cheguei em casa 00:30 e minha mãe estava na varanda chorando muito e quando me viu, veio correndo e me abraçou, e disse, liguei para a policia, fui nos hospitais aqui perto de casa e nada de você, seus amigos vieram com bolo refrigerante pra te fazer uma surpresa e você não estava, inclusive veio junto a tal amiga que vc falou que iria na casa dela, por isso você me deu essa preocupação toda. Contei que eu estava namorando, por isso menti. E disse pra ela me dar um celular, pois assim me acharia sempre que quisesse, e assim ganhei o meu primeiro celular, por conta de muita preocupação da minha mãe.

  • Guilherme Dutra

    A maior preocupação que fiz a minha mãe passar, na verdade, não remete a um único momento. Todas as vezes em que estive distante, sem dar sinal de vida, sei que ela ficou com um aperto no coração e tudo que mais queria era poder me ver ao vivo, em três dimensões. Ah, se ela tivesse um LG Optimus 3D… Era só deixar um vídeo gravado em 3D e aliviar sua agonia!

  • Alan Gomes

    Ano passado eu tive que repor aula no curso em Sao Goncalo, quando eu cheguei no curso a aula ja estava terminando aí eu tive uma ideia: ja que eu to com o rio card da escola aqui eu pego o onibus vou pra Niteroi e de la eu vou pra Magé. Cheguei em Magé as 17:40hs andei um pouco e fui pra casa no onibus de alcantara e depois no Tanguá. Cheguei em casa quase oito da noite sendo que as cinco da tarde era pra eu ta em casa. A minha mae quase me matou pois eu fui pra um caminho totalmente diferente do que era pra ir, ela ficou falando que se houvesse auguma coisa comigo lá ela nem ia acreditar porque nao podia ser. Afinal o meu caminho era Sao Goncalo e nao Niteroi e Mage.

  • Quando eu tinha uns 4 ou 5 anos, eu e a minha família fomos passar a tarde na casa da vovó, normal né? Minha avó morava numa casa do início do século passado, com o pé direito hiper alto, porta imensas e tal… Estávamos todos na sala vendo TV, e eu queria tirar o sapato, e pra isso me segurei numa cortina(!) que ficava entre a sala e a copa. Resultado: o bandô(bandot?) DESPENCOU na minha cabeça, me derrubou e eu desmaiei na hora. Considerando que aquele troço tinha uns 3,5m de largura, 25cm de altura e 5cm de espessura, o estrago foi feio… Passei 2 ou 3 dias internada, sofri traumatismo craniano, e até hoje dá pra sentir um buraco onde a madeira bateu… Sou caçula, minha mãe esteve comigo em todos os momentos, o tempo todo me animando e não deixando eu perceber o quanto tinha sido grave, quase morreu do coração, mas tenho certeza que, se ela pudesse escolher, estaria no meu lugar! “Valeu mãe!”

  • Eu devia ter 12 anos, não lembro exatamente o motivo, mas eu me escondi no guarda roupas… o problema é que fiquei muito tempo lá dentro e acabei dormindo. Minha mãe foi a loucura e me procurou com a família inteira pelas ruas, em um dado momento ela chorando em casa meu desaparecimento…meu pai abriu o guarda roupas e lá eu estava dormindo…rs Até hoje não sei porque diabos eu entrei no guarda roupas 😛

  • Laura Fernanda

    Em meio a tantas preocupações, acredito que o dia do meu casamento merece destaque: Eu estava grávida de nove meses e prestes a dizer SIM ao homem que eu escolhi para viver eternamente ao meu lado… quando de repente, senti uma dorzinha, uma tontura e a bolsa estourou. Minha mãe segurou a minha mão, transmitiu calma, força e confiança, esteve ao meu lado até mesmo na hora do parto, ela se preocupou, chorou comigo e sentiu a minha dor, sem ela hoje eu não estaria onde estou.

  • Rosangela C. de Andrade

    Bom a maior preocupação foi em 14 de agosto de 2011,dia do aniversário dela e por coincidência era dia dos pais!Eu suspeitava estar grávida,mas como já tive uma gravidez psicológica,não quis alimentar esperanças,lembrando que eu tenho um filho com 17 anos de idade,então nesse dia eu acordei meio estranha e sei lá,eu simplesmente não estava bem!Comecei a sentir umas dores e um líquido estranho escorreu por minhas pernas!Eu disse pro maridão;Môr aconteceu alguma coisa!Então chamamos meu filho mais velho e fomos pro hospital eram 11hs da manhã,as 20:30 nasceu nosso filho Júnior com oito meses de gestação mas com toda saúde GRAÇAS Á DEUS!Minha mãe mora em Londrina Pr. e eu em Florianópolis SC.Imaginem!Ela ficou tão desesperada que caiu e foi levada pro hospital também!Levou 5pontos no pé,coitada ela queria estar aqui comigo!Ela vem uma vez por mes nos visitar!A minha mãe é uma das minhas paixões!Mãe TI AMUUU!Feliz dia das mães pra todas nós!Rosangela.

  • Sergio Rosa

    Eu tinha 15 anos, fui a uma festa de aniversário de um colega de clube naquela época não existia telefone celular ainda e eu esqueci de dar o endereço só falei mais ou menos onde era a festa. Enfim a festa estava boa, eu perdi a hora, tive que dormir na casa do aniversariante e não liguei para casa até porque não tínhamos telefone, no dia seguinte pela manhã cedinho minha mãe chorando estava na porta do meu colega, ela já tinha acionado até a polícia. Até hoje eu ainda não sei como ela conseguiu chegar onde eu estava, hoje nós rimos sobre isso e ela exagerada diz que não foi só a polícia que ela acionou, ela chamou Exército, Marinha e Aeronáutica. kkk!!!

  • JOÃO FRANCISCO DOS SANTOS COSTA

    EU QUERO MUITO GANHAR NO MOMENTO EU NÃO TENHO NENHUM APARELHO DE CELULAR E AINDA , ESTOU DESEMPREGADO A MAIS DE 4 MESES EU PRECISO DE UMA COISA BOA ACONTECENDO NA MINHA VIDA EU PRECISO DO CELULAR , EU QUERO GANHAR!!!!!!!!!!!!!!!!..

  • JOÃO FRANCISCO DOS SANTOS COSTA

    foi no dia que um amigo meu que estava comigo no rio capital ligou para uma irmã minha na região serrana dizendo que era um policial e que estava no acidente que tinha acabado de aconter e queria informa que eu tinha morrido carbonizado e que só tinha sobrado meu celular uma das minhas lentes de contato. com isso minha irmã que atendeu começou a passar mau, ja que ela tem problema de coraçãol então ligaram para minha mãe que então teve uma grande preucopação; não sabia se socorria minha irmã ou se corria atras de mim para saber se era verdade ou não o telefonema , já que meu amigo ezagerou no trote. acho que isso foi uma grande preocupação ate porquê ela teve que esperar ate no outro dia quando chegue para saber se era mentira ou não , eu não tive coragem de atender o celular no dia para dizer que era só um trote. coitada da minha mãe.,

  • ALEX WAGNER SOUZA DA SILVA

    Uma vez sai à tarde dizendo pra minha Mãe que ía na casa de um amigo, de lá resolvemos ir para uma festa, na festa encontramos um amigo e fomos dormir na casa dele, resumindo, passei o final de semana inteiro fora sem dar nenhuma notícia a minha Mãe. A pobrezinha quase enlouqueceu: colocou até anúncio nas rádios da cidade. Resultado: Levei a maior bronca e ainda fiquei conhecido como o filho mais desnaturado da região!

  • Foi em um dos meus porres básicos, onde me despeunquei de Niterói para Nova Iguaçu, não sabia como, onde estava e nem com quem…Só sabia dizer que tinha atravessado a ponte. Ela não tinha como me achar, eu não sabia onde estava e com quem estava. Sei que fui a um baile e que acordei sentada na porta de uma padaria, entrei em um taxi e mandei o motorista falar com minha mãe ao telefone para ela dizer como chegar até minha casa.

  • Valdenora de C

    Foram tantas preocupações que já fiz minha mãe passar, mas a maior delas com certeza, foi quando ela descobriu que eu estava grávida, pois ela não sabia se ria ou se chorava, no momento a expressão de sua face foi uma incógnita, minha vontade era de sair correndo, mas ela estava de pé na porta. Depois do susto começou um longo discurso: quem vai pagar as fraldas, como vai alimentar e a educação, afinal quem vai sustentar? Como dizem: Depois da tempestade, vem a bonança. É claro eu só deixei para contar no final, que eu também iria me casar.

  • Helena Stavny Bacil

    A maior preocupação que fiz minha querida mãe passar,foi quando um exame de rotina,uma grave doença veio a me diagnosticar.Nesse momento de minha vida quase entrei em depressão,queria aproveitar cada momento ao lado das pessoas que estavam no meu coração.Minha querida mãe ao meu lado se fazia presente noite e dia,orando,me cofortando,tantando me animar.Dias depois,voltamos ao consultório médico,ela ao mesmo tempo que emocionada,preocupada,se fazia de forte,para tentar manter minha esperança de cura acesa.O doutor parecia assustado,e para minha surpresa,tinha um novo resultado,eu não estava doente,eram os exames que haviam sido trocados.Essa com certeza,foi a maior das provações,sei que preocupei mina querida mamãe,mas ela foi essencial,juntas vivimos superações,e fortes emoções,como mãe e filha.

  • Lirous Fonseca Ávila

    A maior preocupação que eu fiz a minha mãe passar, foi quando eu quando criança por volta de 13 anos, acabei tendo um amor platônico por um padre. O mais incrível disso tudo é que eu coloquei na cabeça que queria seguir a carreira religiosa ao lado dele. Não importava o que a minha mãe havia me dito que jamais ele poderia se casar comigo. O que me importava é estar perto dele. O que eu não contava é que se eu virasse freira, pouco ficaria próximo dele. Hoje, trabalho com serviço social, e compreendi o que era o amor que eu sentia, não era pela carne em si, mas sim por poder ajudar como ele fazia sendo boa com as pessoas.

  • Tato

    COMENTÁRIOS ENCERRADOS