Internet for Dummies

Internet for Dummies

Sei bem que o Tato não abriu este espaço para simpels conversas fiadas e mimimi, mas como ele se chama “Pensamentos profundos”, me acho no direito também de me sentir um pouco mais ativista pró-site e menos blogger. Mas vamos parar de chat do UOL e partir para um privado melhor.

Hoje em dia, eu sinto um certo asco por abrir a internet e ver uma disputa ferrenha entre diversos blogs/sites por um espaço a mais no mundão online. É tamanho o movimento que eu não posso abrir uma aba no navegador que já me vem a mente: ‘Putz, que Ctrl+C verei por aqui?’ E isso está me incomodando.

O que custa para uma pessoa ‘away’ na internet se preocupar em produzir um conteúdo bacana, com informação detalhada, até mesmo colocar sua opinião de forma sutil, sem esquecer que está fazendo aquilo para um público específico? Ou será que eu estou pedindo demais? Para os internautas usarem um pouco mais a cabeça e criarem peças/produtos/posts com mais capacidade mental do que simples post a la Tumblr (gostei, vou compartilhar no meu). Simplesmente para terem mais acessos?

Cada vez mais a internet está se consumindo por ela mesma, assim como aconteceu anteriormente na época dos discadores. Para quem tem mais de 22 anos, vai se lembrar dos sites forrados de gifs e artes ‘sem noção’ que o público ficava maravilhado. O WeRgeeks até comentou disso no Podcast Episódio 40 – Internet nos anos 90. O que chovia de ‘men at work’ para sites em construção.

E está acontecendo agora com as ultras bandas largas. O invento da mensagem instantânea hoje é absurdo, até mesmo porque o MSN ficou obsoleto. Se eu quero comentar alguma coisa, posto no twitter. Se eu vejo um arquivo legal em .JPG, compartilho no Facebook e PLIM, todos meus amigos estão sabendo. Agora tente postar uma resenha de filme com conteúdo comentado, mais elaborado! São pouco os comentários, se é que ela será comentada.

A internet de hoje está deixando de aproximar as pessoas (como era antigamente) para deixar a velocidade ganhar com pequenos micro-contos. São poucos os sites que sobrevivem ao ócio criativo para trazer conteúdo de qualidade para muita gente. Veja a barra lateral de sites-amigos aqui no WeRgeeks e conte quantos são só sites ‘agregadores’. Contou? É por isso que sobrevivemos navegando nas ondas internéticas, temos que nos unir e pensar em nós como uma marca de força, e não um produto qualquer na prateleira do mercado.

Não procure pelo rótulo bonitinho. Procure a data de validade!

Sobre o autor

  • Tato

    Sério Leo, esse problema é muito sério. Cada vez mais vemos conteúdos traduzidos e memes feitos de qualquer jeito, não que não sejam divertidos ou que não tenham seu valor, mas faltam pessoas pensando e desenvolvendo conteúdo! Triste….

    Mas, jamais nos renderemos! o/ #RAAAULLLLLLLLLLL

  • Só posso levantar e bater palmas para seu texto! #Phoda

  • Pessoas estão detestando conteúdo!
    É só isso que eu vejo hoje em dia.

  • Tato

    Tá sem fé na humanidade?! Ainda bem que 2012 tá aí! rs =P

  • Hiro

    Cara, deviam colocar esse texto no papel de parede dos gestores de conteúdo de 90% dos “portais nerds”, onde a política é: “Criar conteúdo pra que(m)?”

  • Tato, hoje em dia até fico no desespero!

    Hiro, agradeço pelo comentário.
    Precisamos de mais pessoas assim!

  • Garneck3

    Hj em dia vivemos mesmo um paradoxo com a internet.. nunca antes a informação esteve tão acessível mas mesmo assim grande parte das pessoas que navegam por aí se interessam por isso… um amigo meu chama de a “nova geração coca cola”, a galera está se entretendo com enlatados igual antigamente, só que agora esses enlatados vem na forma de memes, ou pots traduzidos(isso quando não são simplesmente copiados na cara de pau né)

    sad but true!

    ótimo texto, parabéns

  • Garneck3, teu amigo tem razão.
    Hoje, a informação é prática, mas ninguém usa de forma concreta. Quanto mais rápida for a absorção, mas ‘vida’ terá um pessoa. E não é bem por aí…

  • A internet contribui para um cenário onde todo mundo conhece praticamente as mesmas coisas, temos a falsa sensação de saber tudo o que acontece no mundo, o que não deixa de ser verdade, porém de forma superficial.
    O lado bom é que no meio de tanta bobagem e informação irrelevante sempre haverá aqueles que se preocupam em produzir conteúdo de qualidade. Vocês do WeRgeeks por exemplo, sempre haverá a resistência.
    Outro exemplo é o Luciano Pires, que lançou um programa chamado Geração T falando a respeito das “…pessoas que sabem de tudo que acontece, mas não tem a menor idéia do porquê acontece. Um grupo de pessoas incapaz de exercer a curiosidade intelectual, só a social…”

    Podemos utilizar um critério qualitativo tanto para produzir quanto para consumir conteúdo e tentar dar menos valor para o quantitativo. Nesse caso menos é mais.

    Parabéns pelo post.

  • Ótimo comentário Gustavo.
    Tanto aqui no wRg quanto no Action Nerds, os textos são feitos com a qualidade de gerar um conteúdo bacana para vocês, leitores. É assim que geramos essa conversa de agora.

    Hoje, parece que quanto mais pessoas acessam seu site/blog/post, mais você ganha com isso. Eu prefiro bater número de acesso com conteúdo relevante, e não para se esquecer amanhã.
    ;D

  • Nossa, não acredito que fiquei tanto tempo sem ter visto esse post!

    Isso deveria ser “socado” na cabeça das pessoas!

    Estava comentando com o Tato no ultimo final de semana. Faço parte também de um blog chamado GeezBox ( esse aqui! ) e ultimamente tenho sentido na pele muito do que você escreveu.

    No nosso blog, além de notícias gerais de cultura pop, como games/quadrinhos/cinema/tecnologia, tem colunas onde fazemos resenhas, críticas, e reviews sobre jogos, filmes, séries, apps, gadgets, softwares, HQs, etc.

    E por incrível que pareça, os textos mais elaborados, onde ficamos horas e horas analisando conteúdo, são os menos comentados/acessados.

    Não são todos os blogs que fazem ctrl + c, ctrl + v de coisinhas legais na internet. Tem gente que faz postagens bacanas simplesmente pelo fato de gostar, onde muitas vezes, como meu caso, não recebe um tostão. Muito pelo contrário, pra fazer um review de um jogo por exemplo, eu gasto 150, 200 reais para comprar o jogo. Fico 10, 12 horas jogando e anotando pontos em específico, fico mais um tempo alinhando os textos, depois preparando as imagens, separando game trailers, e no final, 0 comentários.

    Isso desmotiva e faz pessoas que estão querendo gerar conteúdo bacana na internet parar e repensar o trabalho que vem sido feito várias e várias vezes…

    É complicado!

  • Tania

    Concordo com todo o texto. Tenho 45 anos e procuro algo que tenha conteúdo criativo, trabalhado e encontro poucos. O Tom Peres falou bem, minha filha é colaboradora do mesmo blog do Tom, ela assiste um filme (cinéfila que é), passa horas fazendo a resenha e a crítica do mesmo, quando tem dúvidas, assiste novamente. Corre atrás de fontes fidedignas sobre arte, roteirização, fotografia, enfim… se dedica tanto que às vezes vai dormir às 4h00 da manhã para levantar às 5h00, não ganha nada (além do prazer de criar), gasta muito comprando filmes e livros sobre cinema, fazendo cursos, enfim, para fazer um trabalho que nada tem de “amadoresco” e, ninguém lê.
    Se soubessem o trabalho lindo e criativo que permitiu chegar à crítica, todos aplaudiriam, mas como não se trata de postar frases feitas, clichês, cópias e nem biquinhos… Seu único ganho é a experiência, a sensação de um trabalho bem feito e, a minha tietagem (claro que consciente de que se trata de um bom produto), porque quando tenho dúvidas questiono e recebo feedback.
    Abraços e boa sorte a todos vocês. Amo ler e ver coisa boa. Não suporto os 90% de lixo na internet.

  • Hiro

    Desceu uma lágrima aqui, Tom.

    Vou até comentar um post lá. ;p

  • Hauhauhauhauhauhauhauhau

    Hiro, vc também sabe como é isso!!! =P

  • É essa a essência que eu queria colocar no meu texto.
    Prático é para a pessoa colar um MEME, numa piada mais antiga que a Dercy e publicar, se achar o fodão e dizer que faz conteúdo.

    Igual um conhecido meu que insistiu em dizer que informar e entreter são a mesma coisa. Se quero me entreter eu vejo novela, informação é Jornal Nacional, %#@[email protected]#%$

    Podemos ser solidários Tom, eu comento no Geez e tu, no AN ;D

  • Rato de sebo

    Para quê coisa mais inutil que o FACEBOOK???
    Aquilo é totalmente whathever e só serve pra fuçar a vida alheia. Não aguento ficar mais de 5 minutos naquela explosão de poluição visual e inutilidades aheias.

  • leofluz Perfeito Leo!

    Estamos juntos nessa!

    =P

  • Respondo ao Rato de Sebo?
    Acho que não citei Facebook em nenhum lugar… #pensando

    @Tom
    É NÓIZES!