Leia mais

Leia mais

Felizmente conheço várias pessoas com o hábito de ler. Ficção, Não-ficção, Grandes Obras, Leitura Comercial, Tema Religioso, Autoajuda, enfim, elas leem. Mas infelizmente eu conheço muito mais pessoas que não têm este hábito.

A maioria que conheço lê blogs, como o WeRgeeks, revistas, de vez em quando, uma matéria esporádica em jornais, geralmente sobre futebol ou moda, revistas em quadrinhos, e-mail’s, tweets e dai vão ladeira abaixo. Não dá pra considerar todo tipo de coisa como uma boa leitura, afinal elas só demonstram que o leitor é alfabetizado, se tanto. Mesmo alguns integrantes deste blog não têm o hábito, como visto (ou seria “ouvido”?) no WeRgeeks Podcast 39. O Rafael eu sei que lê e o Leo, que é jornalista, eu acredito que sim, o resto do pessoal eu não sei.

Entretenimento, antes de tudo
Ler é divertido. Sério, sem sacanagem! Bem, com sacanagem também é, mas não é isso que eu quero dizer. Um bom escritor consegue te colocar junto aos personagens, muitas vezes até no lugar do personagem principal e isso é uma experiência incrível! Você tem a chance de vivenciar situações novas, tensões extremas, dramas complexos, rir intensamente (mesmo que isso faça você parecer um maluco em público) e aproveitar uma série de outras emoções que não fazem parte de seu dia-a-dia. Há também livros tão próximos de sua realidade que você está constantemente julgando o que faria naquela situação, e livros onde tudo isso é misturado, um denso amálgama de pessoas, lugares, fatos e ficções que nos enriquece a cada palavra.

Pense em quanto é divertido quando você assiste a um filme ou seriado, quando um amigo conta uma história, quando você ouve uma fofoca “sem querer”. Tudo isso vem da vontade que temos de vivenciar mais do que já fazemos, do prazer de acrescentar mais experiências em nossas vidas, e não há fonte melhor para isso que os livros.

Mestres artesãos
Além de toda a diversão, os livros nos proporcionam a oportunidade de conviver com grandes mestres. Uso o termo “mestre” aqui como alguém que nos ensina, alguém que mostra uma maneira diferente, e muitas vezes melhor, de fazermos algo.

Para citar alguns exemplos, Luis Fernando Verissimo conta histórias maravilhosas que cada um de nós poderia vivenciar, Bernard Cornwell nos transporta pras ilhas britânicas de séculos atrás, George Orwell nos dá novas visões sócio-políticas, Frederick Forsyth detalha como foi o submundo da espionagem e das conpirações, Lolita Pille descreve a podridão dos jovens filhos de milionários, William Shakespeare expõe a natureza humana como nenhum outro, José Saramago supera padrões de linguística como um dos maiores gênios da humanidade (obrigado, Grande Mestre) e John Ronald Reuel Tolkien escreveu a melhor história de todos os tempos.

Cada um destes, assim como milhares de outros mestres, nos ensina como foi, é e sempre será a humanidade, além de nos mostrar maneiras melhores de fazer isso, de nos expressarmos com mais clareza, de defendermos nossas próprias ideias, de nos comunicarmos com mais qualidade e, assim, melhorarmos nossas relações com outras pessoas, seja profissional ou pessoalmente. Acredite, é muito mais fácil pegar aquela gatinha quando sabemos o que e como dizer as palavras certas. 😉

Aventure-se
Eu sei que nossa educação escolar fez muito mais contra os livros que a favor. Alguns felizardos aprenderam a amar a literatura lusófona (escrita em língua portuguesa) que fomos obrigados a engolir, mas a grande maioria só pegou raiva daquilo. Eu detesto Machado de Assis por causa dessa época, mesmo que várias pessoas que conheço fiquem me perturbando pra dar mais uma chance ao chato. Ainda assim eu sugiro, peço, que você dê uma nova chance aos livros, há obras espetaculares disponíveis, prontas pra te levar a novos mundos, situações e experiências. Eu prometo que vai valer a pena!

Sobre o autor

  • LuizC

    Não podemos esquecer de que podemos ler muita coisa interessante na internet também. não necessariamente em livros.

    Deixo um exemplo:

    Luciano Pires: http://www.portalcafebrasil.com.br/14-iscas-intelectuais/45-variedades/54-provocacao-dp2

    Ótimo texto.

    Um abraço,

    Luiz Carlos.

    • @LuizC Ótimos textos e um ótimo podcast!

  • pois é… realmente preciso ler mais =/

  • Não consegui ler Machado de Assis até o final, mas li o bastante para dizer que é bom – principalmente o famoso Dom Casmurro. Acho que dos dez livros que li sobre o romantismo e o realismo brasileiro no ano passado, este e Memórias Póstumas de Bras Cubas foram os melhores. Entretanto, ainda há dez livros que preciso ler para o vestibular este ano. O primeiro que peguei foi horrível… pelo menos um já foi