WRG Convida – Fernando Barone

WRG Convida – Fernando Barone

Sejam bem-vindos ao WeRgeeks Convida, um espaço criado para que nossos amigos, leitores e ouvintes também possam participar do blog e deixar posts com seus pontos de vista sobre o universo geek. O convidado de hoje é ninguém mais, ninguém menos que @Barone" href="http://www.twitter.com/barone" target="_blank">Mr. Freaking Barone, o daltônico favorito do Puro Pop e do PãoDiQuest… ah, ele também participou do WeRgeeks Podcast Episódio 40 – Internet nos anos 90!

Eu, Dinogamer

A principal função do computador, para mim, sempre foi a de plataforma para jogos.

Desde meu primeiro contato com Prince of Persia no 486 da loja do meu tio, meu mundo mudou; acho que, mesmo a partir daquele momento de interação com pixels enormes em 64 cores, eu já sabia do potencial que aquilo tinha e nunca deixei de acreditar. Passando-se o tempo, novas pérolas foram lançadas, como Doom, Wolfenstein 3D, SimCity e muitos outros – os poucos megas das HDs da época eram pouco para essa revolução velada que acontecia.

Os computadores evoluíram, ganhamos processadores Pentium e placas de vídeo melhores e chegou a era de ouro para os gamers computadorísticos: os adventures da LucasArts. Day of the Tentacle, Maniac Mansion, Indiana Jones, Sam & Max, The Dig, o saudoso Full Throttle e O JOGO (aliás, você perdeu) que me fez perder dias na frente do PC: The Secret of Monkey Island, que deu origem a uma série incrível de jogos bem humorados e extremamente viciantes.

Sim, amiguinhos, eu sou um Dinogamer.

Isso quer dizer, basicamente, que eu vivo do passado quando no que diz respeito a jogos. É uma cultura criada em cima das experiências que tive desde moleque com esses grandes jogos, que foram formadores de caráter e um excelente meio de desenvolver o raciocínio, além de aprender inglês. Ser um Dinogamer quer dizer que nunca abandonarei esses jogos, que eles sempre terão espaço na minha HD e sempre os jogarei entre uma partida e outra de algum jogo high-end.

Um excelente exemplo disso são os excelentes Fallout e Fallout 2, CRPGs que apresentam um mundo pós-apocalíptico recheado de humor negro e referências à Cultura Pop. Conheci bons amigos em um fórum dedicado unicamente a falar sobre essa série de jogos.

Rodar qualquer um dos jogos citados, entre tantos outros, me transporta para a época na qual eu os jogava como se fossem o ápice da tecnologia; traz de volta a sensação de inocência e empolgação que eu tinha em relação aos games, além de serem completamente diferentes do que temos no mercado hoje. Por isso vale a pena fazer parte desse grupo de pessoas.

Tendo dito isso, deixo para os entusiastas da retrocomputaria uma série de links para esses marcos da jogatina no PC, que tem muito a ver com os famosos Abandonwares:

GOG – site especializado em trazer jogos que marcaram época por preços ridículos. O melhor é que eles já vem prontos para rodar na sua máquina atual, sem problemas de performance do jogo.

Abandonia – lar dos abandonwares, jogos que já perderam seus direitos comerciais e podem ser disponibilizados gratuitamente. O site tem um acervo enorme de raridades.

Sarcófago – versão brazuca do Abandonia, com um acervo bem menor e com um certo desrespeito à regra de direitos comerciais de alguns jogos.

Abandonware Ring – esse site reúne todas as atualizações dos grandes centros de abandonware na internet. É uma boa depois que você esgotar o Abandonia.

Sobre o autor

  • Hiro

    Nem sabia que existia um rótulo pra isso, mas eu conheço o good old games a milênios, e gostava mto mais dele antes.

    Acho curioso essas empresas quererem vender esses jogos velhos ainda e não darem suporte pra OS mais recentes e hardware mais moderno, mas enfim JOGUEM X-COM.

  • Há uma dica neste post que eu acho que nem o autor sabe… =D

  • Apenas o ultimo continua na categoria mas os tres certamente deixaram sua marca seja pelo arrojo pelas grandes vitorias pelos titulos pelas polemicas ou por um certo desprezo pelo circo que acabou levando os dois primeiros para outros caminhos.. Em contrapartida a quilometragem dos novatos com carros de F1 e bem menor..E para quem diz que ser piloto de testes hoje nao vale mais nada e interessante observar que apenas Perez fez sua estreia durante os ensaios destinados a jovens pilotos em Abu Dhabi no final do ano passado. Maldonado andou pela primeira vez de F1 em 2004 pela Minardi enquanto Di Resta e D Ambrosio eram test drivers e participaram de algumas sessoes de treinos livres ano passado..Embora essas questoes sejam complexas como ja discutimos aqui e apenas Di Resta se afasta da imagem de piloto pagante.