Retro-review Red Dead Redemption

Retro-review Red Dead Redemption

Bem-vindo aos retro-reviews. Estes textos têm como objetivo sugerir games recentes, mas não muito recentes, que acreditamos que você deva jogar. E como estão no mercado há algum tempo você já deve ter um ambiente que os suporte e deve encontrá-los a preços bem mais acessíveis que os lançamentos. Divirta-se e deixe suas impressões depois de jogá-los.

Há Verdadeiro Perdão?
Todos cometemos erros em nossas vidas, erros que nos prejudicam e erros que prejudicam outras pessoas. Algumas pessoas aceitam estas falhas como parte do que são, mas procuram corrigir algumas delas, em alguns casos até revertê-las, e esta atitude é conhecida como a busca por redenção. Infelizmente pedir perdão não é fácil, ainda assim a paz de espírito que isso nos traz vale cada obstáculo do caminho.

Um Passo Atrás
Estados Unidos da América, 1911. As mudanças drásticas que aconteceram no início do século XX ditaram toda a evolução sócio-político-econômica do mesmo. Na América do Norte estava terminando o período conhecido como Velho Oeste, que abrangeu mais que o Oeste, e começava a sociedade que chamamos de civilizada (podem rir). Cidades que não passavam de algumas casas de madeira, um saloon e um puteiro prostíbulo começavam a se tornar grandes casas, hotéis, comércios, prefeituras, bares e, claro, puteiros prostíbulos.

Neste ano a Justiça convoca John Marston a pagar por alguns de seus erros. Fora-da-lei aposentado, Marston agora tem sua própria fazenda e família, mas sua vida anterior volta para assombrá-lo pois o Governo precisa de ajuda para capturar alguns de seus antigos associados e para isso sequestram realocam sua mulher e filho para um ambiente controlado e prometem a John que todos voltarão a sua pacífica vida de fazendeiros assim que ele cumprir sua parte na busca por seus amigos de outra época.

Com o paradeiro de um deles em mãos Marston parte para o Forte Mercer, no território de New Austin. Chegando lá ele comete o ingênuo erro de tentar convencer Bill Williamson a se entregar. Resultado, ele é baleado e deixado à própria sorte. Por sorte é encontrado por Bonnie MacFarlane, que salva sua vida e lhe oferece abrigo. A partir daí Marston precisa mudar sua estratégia para algo um pouco mais violento.

Imersão Profunda
Red Dead Redemption rapidamente nos transporta àquele período. Todo o ambiente é como imaginamos que aquele tempo e lugar foram, a atitude das pessoas, suas reações, a geografia, fauna, flora, tudo. Os cavalos, seu principal meio de transporte, são incrivelmente realistas, as armas muito bem pesquisadas e implementadas, os conflitos factíveis e você quase sente o cheiro da terra.

Visualmente o jogo é uma experiência emocionante. Texturas incríveis, terrenos rústicos, personagens maravilhosamente desenhados, casas, prédios, rios, estradas de ferro, carruagens, tudo isso de um realismo ímpar, e os animais dão muitos mais vida que qualquer humano seria capaz. Muitas vezes me peguei cavalgando numa velocidade abaixo do limite pelo simples prazer de admirar a paisagem, com destaque ao nascer e pôr do Sol e à incrível chuva.

Sonoramente RDR é magistral. A dublagem é perfeita, o som emitido pelos animais é reconhecível mesmo a quem nunca viu um deles ao vivo, os sons ambientes e naturais, como seus passos, são precisos e a trilha sonora é algo que levarei pelo resto de minha vida. Minhas músicas preferidas são ‘Far Away’, de José González, que toca na primeira vez que você cruza a fronteira EUA-México, e é espetacular, e ‘Compass’, de Jamie Lidell, que sinceramente me coloca naquele estado de espírito todas as vezes que eu escuto, sem exceção.

E a história, desculpem a expressão mas… PUTA QUE ME PARIU! A história é tão boa que só de lembrar eu já quero voltar e jogar RDR novamente. Certamente uma das melhores histórias que eu conheço, e agradeço que a mídia utilizada para contá-la foi um videogame assim pude também vivenciá-la.

Maior que Si
Red Dead Redemption é mesmo maior que si. Com um metascore de 95 em 100 o jogo não é perfeito, mas ninguém é. RDR nos faz questionar nossas próprias atitudes, nossos valores, e com isso passa a fazer parte de nossas própria vidas. Este jogo é uma obra-prima, superado no grupo dos sandboxes apenas por seu irmão Bully, mas não completamente pois John Marston certamente é maior que Jimmy Hopkins em todos os sentidos. Este foi sem dúvida o Jogo do Ano de 2010.

Sobre o autor

  • Hiro

    Engraçado como tecnicamente esse jogo é surpreendente, mas como na experiência msm eu não gostei tanto. Pelo menos não tanto quanto GTA 4, por exemplo, pra não sair do msm gênero. Mas eu joguei ele na semana de lançamento… talvez mereça uma segunda mão.

    @Fred
    Vc jogou o Undead Nightmare?

  • Bruski

    Olha o jogo realmente é espetacular, a trilha sonora pra mim é uma das melhores que eu já vi em qualquer jogo, muito muito boa realmente.
    RDR é um espetaculo, roteiro, figurino, vale muito a pena.
    E você não comentou sobre os modos multiplayer do mesmo que são muito bons, torna ainda mais divertido o jogo e também a expansão RDR Undead Nightmare que é o sonho de qualquer nerd hahhaha
    valeu

  • Perfeita a descrição do jogo, e para complementar vou contar algumas experiências pessoais e marcantes do jogo.

    Num domingo preguiçoso eu passei o dia jogando RDR, e estava um calor de matar aqui em Bauru-SP, no jogo chovia torrencialmente. Depois de algumas horas bateu aquela fome, e saindo do mundinho pensei: “Vou na padaria buscar um pão assim que essa chuva diminuir”. Olhei pela janela e vi o sol escaldante.

    Sem querer dar muito spoiler, mas com relação a um vilão específico, quando amarrei ele e me preparava para matá-lo, eu estava tão imerso que comecei a falar em voz alta, quase gritando, e com uma raiva sincera: “Morre seu filha da puta de merda. Desgraçado!”

    Quando se completa 80% do jogo +/-, ao final de uma missão específica, cavalgando pela neve, com aquele sentimento de missão cumprida achando que era o final do jogo, começa áquela música de fundo que faz cair lágrimas dos meus olhos.
    Não é raro eu chorar em filmes tocantes, pixar é minha testemunha, mas um jogo, quando me recompuz eu pensei: Nunca em todos meus anos de gamers, desde o Atari, eu havia imaginado que um jogo poderia me fazer chorar assim.

    Recomendo o jogo, melhor estória que já joguei.

  • @Hiro
    Sério que você curtiu GTA IV mais que RDR? Pra mim RDR está um planeta à frente. Preciso escrever um retro-review de GTA IV também.

    @Bruski e Hiro
    Eu não joguei Undead Nightmare ainda.

  • @roger_coy
    A música da qual você fala é Compass, que como falei no texto me coloca naquele estado de espírito todas as vezes que eu escuto, sem exceção.

  • leonam

    esse cara que comentou ai chorou por causa de um jogo???????? sera?????????